Chega quer cirurgias e tratamentos hormonais de mudança de sexo fora do Serviço Nacional de Saúde

André Ventura coloca como única exceção os casos de hermafroditismo e diz que os legisladores têm feito “erradas opções na administração das divisas de que o Estado neste momento dispõe”.

Mário Cruz/Lusa

Uma das propostas de alteração do Orçamento de Estado para 2020 que o Chega vai apresentar implica a retirada dos procedimentos de mudança de sexo do Serviço Nacional de Saúde (SNS), revogando o que se encontra atualmente estipulado.

“Não estão abrangidos pelo Sistema Nacional de Saúde os procedimentos de reatribuição sexual, seja esta exercida por recurso a cirurgia ou qualquer terapêutica de natureza hormonal”, lê-se na proposta de alteração assinada pelo deputado único do Chega, André Ventura. A única exceção prevista são “os casos de hermafroditismo, nas suas várias formas”, sejam por reposição hormonal ou por cirurgia plástica.

Na justificação da proposta, o Chega defende que a exclusão da reatribuição sexual se inscreve numa “boa gestão do SNS” que “seria sempre um dever a acautelar pelo legislador” e “ainda mais o é por se encontrar Portugal num momento económico de fraca sustentabilidade”.

Ainda segundo André Ventura, a falta de respostas do SNS não têm apenas a ver com “manifesta falta de verbas” como também a “erradas opções na administração das divisas de que o Estado neste momento dispõe”.

Em 2018 foram realizadas nove cirurgias deste tipo, depois de a Unidade de Reconstrução Genito-Urinária e Sexual do Centro Hospitalar e Universitário de Coimbra, única unidade que realiza este tipo de intervenções, ter feito 21 cirurgias de reatribuição de sexo em 2017.

 

Recomendadas
catarina_martins_oe_2020

Bloco de Esquerda vota contra o OE2022 caso Governo não faça alterações

A coordenadora do partido, Catarina Martins, lançou este domingo críticas à “bandeira” da reforma do IRS proposta pelo Executivo de António Costa e denunciou a falta de investimento nos serviços públicos. Dirigente bloquista disse ainda que “a proposta ignora a crise energética”.

OE2022: Chega critica PCP e defende que é “o pior momento” para crise política

Ventura deixou um apelo “à responsabilidade de todos”, argumentando que “as pessoas estão um pouco fartas de crises políticas”. “Querem governar a sua vida, não querem que o Governo esteja sempre em sobressalto”, pelo que o Chega espera “que Bloco, PCP e PS se entendam”, frisou.

Alterações ao IRS não configuram “desagravamento substancial e generalizado”, dizem fiscalistas da KPMG e Católica

Leonardo Marques dos Santos, professor de Direito Fiscal da Faculdade de Direito da Universidade Católica, relembra que nem todos os contribuintes são jovens nem têm filhos, numa das críticas feitas às medidas apresentadas pelo Governo na proposta de OE2022.
Comentários