Chega tira confiança política a Nuno Afonso. Vereador ameaça com processo crime

Chega retirou a confiança política ao vereador eleito para a Câmara Municipal de Sintra, Nuno Afonso, alegando que este desrespeitou as indicações do partido ao viabilizar o orçamento municipal para 2023. Autarca desmente e ameaça processar partido e dirigentes.

Nuno Afonso

O Chega anunciou, esta quarta-feira, que retirou a confiança política ao vereador eleito para a Câmara Municipal de Sintra, Nuno Afonso, por este ter alegadamente viabilizado o orçamento municipal para 2023 contra as indicações do partido. O autarca tem uma versão diferente dos factos e lamenta “perseguição” política.

“A Comissão Política Distrital de Lisboa enviará ainda hoje [esta quarta-feira] um ofício à Câmara Municipal de Sintra informando de que o senhor vereador Nuno Afonso deixa de representar, com efeitos imediatos, o partido Chega no órgão executivo daquele município”, lê-se num comunicado da distrital de Lisboa Chega publicado nas redes sociais.

Segundo a agência Lusa, o orçamento da câmara de Sintra foi aprovado com os votos favoráveis do PS (quatro vereadores mais o presidente), do vereador da CDU, a abstenção do vereador do Chega e os votos contra do PSD e do CDS-PP (quatro vereadores).

A estrutura local do Chega considera que o sentido de voto do vereador, “à revelia das orientações do partido e da estratégia definida para o distrito, são claros atos de indisciplina partidária e não deixa outra alternativa, a esta Comissão Política Distrital, senão a de retirar, de imediato, a confiança política ao senhor vereador Nuno Afonso”.

A reação do vereador não tardou e, em comunicado enviado às redações, Nuno Afonso repudia “veementemente” a comunicação da distrital de Lisboa do Chega, considerando que esta só tem “intenção” de denegrir “a boa imagem e afastar aquele que se assumiu há dias como candidato à liderança do partido, recorrendo a insultos, mentiras e ao autoritarismo”. Além disso, este comunicado “reflete perseguição política e pessoal reiterada, com elevados danos morais e de imagem, pelo que pondero inclusivamente avançar com um processo crime contra o partido e os dirigentes em causa”, lê-se.

Nuno Afonso desmente ainda que tenha viabilizado o orçamento e assegura que não teve “conhecimento de quaisquer posições do partido” em relação à matéria. “Acusam-me de ter aprovado o orçamento demonstrando total ignorância e incompetência ao não saber distinguir a aprovação de um orçamento, competência da Assembleia Municipal, e a viabilização da submissão do orçamento à AM. O que foi aprovado foi a submissão do Orçamento à Assembleia Municipal para este órgão deliberar a sua aprovação ou rejeição.”

O vereador considera ainda “fundamental deixar muito claro” que não tolera “este clima de perseguição” que levou inclusive à “realização de um evento para destratar a minha pessoa e outros que, como eu, não concordam com o rumo antidemocrático e totalitarista que o partido tomou”.

Recorde-se que Nuno Afonso foi chefe de gabinete de André Ventura na legislatura passada e foi reconduzido no cargo em março deste ano. Em maio, acabou por ser exonerado pelo presidente do partido.

Recomendadas

Presidente do PS pede ao Governo apurado sentido de orientação e maior rigor nas condutas

Este aviso foi transmitido por Carlos César através de uma mensagem vídeo na sessão do PS evocativa dos sete anos de governos socialistas liderados por António Costa, que decorre na estação fluvial do Terreiro do Paço.

Vasco Lourenço contesta aproveitamento político do 25 de novembro pela extrema-direita

“Não aceito agradecimentos dos que, em 25 de Novembro de 1975, foram vencidos, por mim e pelos meus camaradas de Abril”, enfatiza Vasco Lourenço em comunicado, no qual não nomeia qualquer partido, embora se dirija expressamente à extrema-direita.

José Maria Monteiro de Azevedo Rodrigues é o novo presidente da Comissão de Normalização Contabilística

A decisão foi tomada em Conselho de ministros e publicada hoje, sexta-feira, no Diário da República, informou o Ministério das Finanças em comunicado.
Comentários