China ameaça Alemanha com retaliações se existir exclusão da Huawei do 5G

Um embaixador chinês lembrou a importância que a China possui para os fabricantes de automóveis da Alemanha.

A China ameaça a Alemanha com retaliações caso o país decida impor excluir a Huawei como fornecedora de equipamento 5G, diz a Bloomberg. Um embaixador chinês fez alusão à importância que a China possui para os fabricantes de automóveis alemães.

“Se a Alemanha decidir excluir a Huawei do  mercado alemão, vão existir consequências”, disse o embaixador  chinês Wu Ken, num evento realizado na Alemanha, refere a Bloomberg.

O embaixador lembrou ainda a importância que a venda de carros de fabricantes alemães, possui no mercado da China. “Poderemos dizer um dia que esses carros da Alemanha não são mais seguros porque estamos numa posição de fabricar os nossos próprios carros”, questionou o embaixador chinês, citado na Bloomberg.

[frames-chart src=”https://s.frames.news/cards/5g/?locale=pt-PT&static” width=”300px” id=”1044″ slug=”5g” thumbnail-url=”https://s.frames.news/cards/5g/thumbnail?version=1567763845480&locale=pt-PT&publisher=www.jornaleconomico.pt” mce-placeholder=”1″]

Relacionadas

Fundador da Huawei diz que “o 5G em Espanha será um exemplo para a Europa”

A afirmação de Ren Zhengfei sobre a vizinha Espanha contrasta com as expectativas da Huawei para o 5G em Portugal. “Portugal sempre foi um país pioneiro, mas sinto que isso não está acontecer com o 5G”, afirmou o key account director da Huawei em Portugal, João Matos Maria, num encontro com jornalistas em 5 de dezembro.
Recomendadas

Mundial2022: Qatar condena campanha “infundada” em resposta a críticas do PE

O Qatar condenou a resolução adotada na semana passada pelo Parlamento Europeu (PE) criticando a sua escolha como sede do Mundial de futebol em curso e denunciou uma campanha “infundada” assente em “acusações falsas e informação enganosa”.

Covid-19: Human Rights Watch pede respeito pelos direitos de manifestantes na China

A Human Rights Watch defendeu hoje que o Governo chinês deve respeitar os direitos de todos aqueles que protestam pacificamente contra as restrições no combate à pandemia de covid-19.

Sociedade civil são-tomense pede investigação internacional a “triste episódio” com quatro mortos

A sociedade civil são-tomense pediu hoje aos parceiros de cooperação uma “investigação internacional urgente” sobre o “triste episódio” do ataque ao quartel militar, na sexta-feira, em que morreram quatro pessoas, alegadamente após “agressão e tortura”.
Comentários