China e Rússia voltam a juntar-se na ONU, desta vez a propósito da Coreia do Norte

Pequim e Moscovo culpam os Estados Unidos e a Coreia do Sul por promoverem a desestabilização da Península da Coreia e consideram que novas sanções da ONU – que vetaram na passada semana – não resolvem o problema de fundo.

KCNA/via REUTERS

A China e a Rússia acusaram os Estados Unidos de alimentar as tensões na Península da Coreia durante uma reunião na ONU realizada para explicar as suas decisões de vetar novas sanções globais sobre a Coreia do Norte na sequência dos recentes lançamentos de mísseis balísticos por parte do regime de Kim Jong-un.

Zhang Jun, embaixador da China nas Nações Unidas, disse à Assembleia Geral, citado pelos jornais norte-americanos, que a tensão na península “se desenvolveu até ao que é hoje principalmente devido ao fracasso das políticas dos Estados Unidos”. “Há muitas coisas que os Estados Unidos podem fazer, como aliviar as sanções contra a Coreia do Norte em certas áreas e acabar com os exercícios militares conjuntos com a Coreia do Sul”, disse.

Por seu lado, a vice-embaixadora da Rússia na ONU, Anna Evstigneeva, também pediu o levantamento das sanções. “A Coreia do Norte precisa de mais ajuda humanitária e o Ocidente deve parar de culpar Pyongyang pelas tensões”.

Os vetos da China e da Rússia sobre as novas sanções contra a Coreia do Norte, avançadas no mês passado, dividiram publicamente o Conselho de Segurança da ONU pela primeira vez desde que o país foi alvo de sanções em 2006.

O vice-embaixador Jeffrey De Laurentis, dos Estados Unidos, rejeitou as acusações da China e da Rússia e questionou se Pequim e Moscovo elevaram a sua parceria estratégica “sem limites” acima da segurança global ao vetar as sanções contra a Coreia do Norte. “Esperamos que esses vetos não sejam um reflexo dessa parceria”, disse DeLaurentis, referindo-se aparentemente ao suporte, ou pelo menos à indefinição, entre os dois países em relação à guerra na Ucrânia. “As vossas explicações para exercer o veto foram insuficientes, não credíveis e não convincentes”, afirmou.

De Laurentis acrescentou que as atuais sanções e a proposta de novas medidas são uma resposta direta às ações da Coreia do Norte e afirmou que os Estados Unidos tentaram repetidamente reiniciar as negociações, enviando mensagens públicas e privadas, mas não receberam resposta.

A Coreia do Norte realizou dezenas de lançamentos de mísseis balísticos este ano, incluindo mísseis intercontinentais, depois de acabar com a suspensão de testes que se tinha imposto em 2018, depois de Kim Jong Un ter encontrado por duas vezes o então presidente Donald Trump.

O novo presidente sul-coreano, Yoon Suk-yeol, que assumiu o cargo a 10 de maio, acordou com Joe Biden aumentar os exercícios militares conjuntos para deter a Coreia do Norte. Desde então, os militares sul-coreanos e norte-americanos levaram a cabo testes com o objetivo de demonstrar capacidade e prontidão para responder a quaisquer provocações norte-coreanas. Os dois países alertaram que a Coreia do Norte está a preparar o sétimo teste nuclear.

Recomendadas

Israel abateu três drones do Hezbollah no Mediterrâneo

O exército israelita afirmou hoje que abateu três drones do grupo xiita libanês Hezbollah e que se dirigiam a um campo de gás no Mediterrâneo, numa área marítima disputada pelos dois países.

Manifestações pelo direito ao aborto reúnem milhares em França

Várias manifestações ocorreram hoje em França em defesa do direito ao aborto e para manifestar apoio às mulheres norte-americanas, depois da decisão, na semana passada, do Supremo Tribunal dos Estados Unidos, de revogar esse direito.

Marcelo parte para São Paulo ainda sem “comunicação por escrito” de Bolsonaro

O chefe de Estado português afirmou hoje, antes de partir do Rio de Janeiro para São Paulo, que continua sem receber nenhuma “comunicação por escrito” do Presidente do Brasil a cancelar o almoço de segunda-feira em Brasília.
Comentários