China encomenda 300 aviões à Boeing

A Boeing e a China Aviation Supplies Holding Company (CASC) chegaram a acordo para a compra de 300 aviões, encomenda no valor de 38 mil milhões de euros O presidente chinês, Xi Jinping, visitou a fábrica da Boeing em Seattle (EUA) onde foram anunciados vários acordos para ampliar a colaboração entre a indústria da aviação […]


Notice: Undefined offset: 1 in /var/www/vhosts/jornaleconomico.pt/httpdocs/wp-includes/media.php on line 1031

Notice: Undefined offset: 2 in /var/www/vhosts/jornaleconomico.pt/httpdocs/wp-includes/media.php on line 1031

Notice: Undefined offset: 1 in /var/www/vhosts/jornaleconomico.pt/httpdocs/wp-includes/media.php on line 1031

Notice: Undefined offset: 2 in /var/www/vhosts/jornaleconomico.pt/httpdocs/wp-includes/media.php on line 1031

A Boeing e a China Aviation Supplies Holding Company (CASC) chegaram a acordo para a compra de 300 aviões, encomenda no valor de 38 mil milhões de euros

O presidente chinês, Xi Jinping, visitou a fábrica da Boeing em Seattle (EUA) onde foram anunciados vários acordos para ampliar a colaboração entre a indústria da aviação chinesa e o construtor norte-americano.

O fabricante e a COMAC (Corporação de Aviões Comerciais da China) abriram uma fábrica neste país asiático para os acabamentos de interiores, pintura e entrega dos aviões aos clientes chineses.

O ritmo de produção do modelo 737 alcança as 42 unidades por mês mas aumentará para 47 em 2017 e até 52 em 2018 para satisfazer a forte procura deste modelo.

OJE

Recomendadas

Amazon planeia gastar 95 milhões de euros por ano em publicidade no Twitter

Este valor faz parte da estratégia da retalhista online no regresso à publicidade na rede social agora liderada por Elon Musk, mas está ainda dependente de alguns “ajustes de segurança” na plataforma de anúncios do Twitter.

Comércio online representou 22% de todo o comércio na Black Friday

As compras por MB Way dispararam face a 2019, com uma subida de 1.730%, de acordo com os dados divulgados pelo Forward Payment Solutions (SIBS).

Saídas de capital do Credit Suisse quase estancadas e já se nota regresso de depositantes de elevado património

O banco deverá ter perdido cerca de 10% dos fundos depositados na operação de gestão de ativos, devido a desconfianças dos clientes relativamente à solvabilidade da instituição.