China está a militarizar-se no estreito de Taiwan, avisa Índia

Um navio militar chinês atracou num porto do Sri Lanka, levando as autoridades indianas a temer pela segurança do seu país. A China garante que se trata de uma ação de investigação que não compromete a posição de “qualquer país”.

Créditos da imagem: Xinhua

A Índia acusou a China de ter em curso um processo de “militarização no estreito de Taiwan”, na sequência de um navio chinês ter atracado num porto do Sri Lanka.

Segundo está a ser reportado, esta é a primeira ocasião em que as autoridades indianas fazem uma acusação como esta, numa altura em que prossegue a guerra de palavras entre países asiáticos.

De acordo com o “The Guardian”, a acusação foi feita este domingo, em comunicado, por parte do Alto Comissariado da Índia no Sri Lanka.

Este mês, a embarcação de investigação militar ‘Yuan Wang 5’ atracou no porto de Hambantota, no Sri Lanka. De acordo com os analistas citados pelo diário britânico, esta é controlada pelo exército chinês, que monitoriza satélites, foguetes e mísseis balísticos intercontinentais.

A Índia mostrou receio de que as forças chinesas possam usar aquele porto como base militar.

O ministro dos Negócios Estrangeiros da China garantiu que se trata de uma ação de investigação marítima, acrescentando que está em linha com a lei internacional e que não vai afetar “a segurança e os interesses económicos de qualquer país”. Anteriormente, a China tinha alegado que as preocupações das autoridades indianas na questão da segurança estariam a “interferir com a soberania e independência do Sri Lanka”.

 

Recomendadas

Joe Biden declara emergência para a Florida por causa da tempestade Ian

A tempestade tropical Ian, que se prevê possa converter-se em furacão, avança este domingo pelas Caraíbas em direção às Ilhas Caimão, numa trajetória que deverá levá-la ao oeste de Cuba e ao sudeste do Golfo do México no início da semana.

Eleições em Itália: Salvini confiante de que a Liga será uma das forças parlamentares “no pódio”

Nestas eleições, nas quais o bloco de direita, liderado por Meloni, é o favorito, cerca de 50 milhões de pessoas terão de ir às urnas, com mais de quatro milhões de italianos no exterior.

São Tomé/Eleições: PM são-tomense espera eleições ordeiras e “com toda a transparência”

O chefe do executivo afirmou que “o processo na sua globalidade está a decorrer” conforme as expectativas “e fazendo jus à tradição democrática que se vive em São Tomé e Príncipe”, apesar de um protesto na localidade do Bairro do Hospital por falta de água potável na zona.
Comentários