PremiumChina faz ver a Hong Kong que é “um país, um regime”

Surpresa de 2016 levou Xi Jinping a mandar alterar as leis eleitorais do território, para que não voltasse a haver qualquer sobressalto político. Não aconteceu, nem é suposto que alguma vez volte a acontecer.

Se nas eleições de 2016 ainda havia uma réstia de esperança, desta vez foi o desânimo que marcou o domingo eleitoral em Hong Kong: pouco mais de metade dos eleitores que se dispuseram a votar nas eleições anteriores acorreu desta vez às urnas, compondo uma abstenção de quase 70% – que ganhou com estrondo um ato eleitoral que poderá chamar-se, no mínimo, parcial. Os níveis de abstenção pulverizaram o recorde anterior, estabelecido nas eleições de 2000, quando tinham chegado aos 43,7%.

Não havia surpresas possíveis: com a alteração da lei eleitoral protagonizada por Pequim, os candidatos da oposição não eram admitidos a sufrágio, pelo que os partidos pró-chineses conquistaram todos os lugares nas eleições legislativas – 90, mais 20 que até agora. Mesmo assim, a nova lei dava lugar à presença de candidatos independentes ou moderados, que serviu para Pequim salvar a face – se era caso de estar preocupada com isso – perante a chamada Lei de Segurança Nacional, que entrou em vigor no ano passado, a que acresceu a reforma eleitoral de março de 2021.

 

Conteúdo reservado a assinantes. Para ler a versão completa, aceda aqui ao JE Leitor

Recomendadas

PremiumPutin une extremos na oposição ao Ocidente

As franjas mais extremas europeias convergem no apoio a Putin, unidas por um antiamericanismo reforçado, à esquerda, por uma orfandade do comunismo soviético e, à direita, pela admiração por um regime iliberal e autocrático.

PremiumPara saudar o regresso de um majestoso Jaen

Serve este texto para saudar a aposta de um produtor do Dão, a Caminhos Cruzados, integrada há cerca de dois anos no grupo da Quinta da Pacheca (no Douro), na comercialização de um monovarietal de uma das castas mais singulares que se produzem em Portugal: a Jaen (Mencia, em Espanha). Há quem diga que em relação à Jaen, ou se ama ou se detesta.

PremiumFada ou bruxa? Uma duquesa que incomoda muita gente

Sociopata narcisista”. Uma classificação nada abonatória, mas é assim que é descrita Meghan Markle por ex-funcionários do Palácio de Buckingham que trabalharam para os duques de Sussex, segundo o que é revelado no novo livro de Valentine Low, que escreve sobre assuntos reais para o “The Times”.
Comentários