China não confirma acordo comercial e Wall Street abre no ‘vermelho’

Depois das notícias de quinta de que um acordo entre os Estados Unidos e a China, a possibilidade de que a China não se comprometeu com a existência de um acordo voltou a retrair os investidores.

A expetativa de um acordo entre os Estados Unidos e a China levou os mercados norte-americanos a novos máximos na última sessão, mas esta sexta-feira a ausência de confirmação pelo governo chinês de um acordo voltou a pesar no sentimento dos investidores.

O industrial Dow Jones perdeu 0,03% para 28.123,64 pontos , o alargado S&P 500 cedeu 0,06% para 3.166,65 pontos e o tecnológico Nasdaq recuou 0,04% para 8.713,91 pontos.

O The Wall Street Journal publicou esta esta sexta-feira que a China não se comprometeu com a existência de um acordo. No entanto, Donald Trump já reagiu, através de uma publicação no Twitter, classificando a informação como “fake news”.

No mercado petrolífero, o Brent avança 1,12% para 64,92 dólares, enquanto o petróleo WTI sobe 0,81% para 59,66 dólares.

Recomendadas

PSI segue sessão no ‘vermelho’. BCP, REN e EDP Renováveis caem mais de 2%

Lá fora, as principais praças europeias também negociaram no ‘vermelho’. O CAC 40 perde 0,12%, o DAX cai 0,15%, o IBEX 35 recua 0,70% e FTSE 100 desvaloriza 0,66%.

Euro cai para novo mínimo de 20 anos depois de viragem à direita em Itália

“A União Europeia (UE) e a zona euro estão numa situação difícil: não só a Europa está a sofrer uma verdadeira crise energética, mas agora a direita em Itália está também a registar uma vitória histórica”, disse o economista-chefe do VP do Banco Thomas Gitzel, citado pela Efe, que acrescenta que o veredicto dos mercados financeiros sobre o assunto é claro.

Euribor sobem a três e 12 meses para novos máximos e mantêm-se a seis meses

A taxa Euribor a seis meses, a mais utilizada em Portugal nos créditos à habitação e que entrou em terreno positivo em 6 de junho, manteve-se hoje em 1,803%, um máximo desde setembro de 2011.
Comentários