China pede ao ocidente que pare de alimentar conflito na Ucrânia

O ministro dos Negócios Estrangeiros chinês pediu um cessar fogo e o fim das hostilidades.

1 – China

A China opõe-se à política de incitação ao conflito na Ucrânia por parte dos EUA e de vários estados ocidentais e considera que é necessário parar de aumentar a pressão sobre a Rússia.

“Quanto à situação na Ucrânia, a China insiste que os EUA e outros estados ocidentais parem de alimentar a guerra e também de aumentar as sanções unilaterais [contra a Rússia]”, disse o ministro dos Negócios Estrangeiros chinês, Zhao Lijian, segundo a agência de notícias “Tass”.

O diplomata chinês destacou que Pequim “está a usar vários canais” para manter contatos com todos os lados interessados. “Pedimos um cessar-fogo e o fim das hostilidades”, ressalvou o diplomata.

Esta não é a primeira vez que a China se dirige aos EUA desde que começou a guerra. A 14 de abril, por exemplo, a China criticou as acusações “injustificadas” dos Estados Unidos, sobre o relacionamento com a Rússia. “Nós opomo-nos a acusações e suspeitas injustificadas contra a China”, disse Zhao Lijian, acrescentando que “o tempo vai acabar por provar que a China está do lado certo da história”.

Zhao Lijian garantiu ainda que a China está a “fazer grandes esforços para aliviar a situação, resolver a crise e restaurar a paz”.

A 24 de fevereiro, o presidente russo Vladimir Putin anunciou uma operação militar especial na Ucrânia e até ao momento a guerra prossegue apesar das sanções aplicadas ao Kremlin. A China não tem participado na aplicação de sanções.

Recomendadas

Zelenskiy alerta membros da NATO que Moscovo procura “nova ordem mundial”

“Esta não é uma guerra travada pela Rússia apenas contra a Ucrânia. Esta é uma guerra pelo direito de ditar as condições na Europa e como será a futura ordem mundial”, afirmou Zelenskiy num discurso por videoconferência durante a cimeira da NATO em Madrid.

PM britânico diz que invasão da Ucrânia é exemplo de “masculinidade tóxica” de Putin (com áudio)

Durante a cimeira da NATO em Madrid, marcada pela guerra na Ucrânia, Johnson garantiu que a Rússia não teria iniciado o conflito caso estivesse uma mulher no lugar de Putin à frente do Kremlin. 

Revista de imprensa internacional: as notícias que estão a marcar a atualidade global

Turquia levanta veto à adesão da Finlândia e da Suécia à NATO; Stoltenberg espera que Suécia e Finlândia se tornem membros da NATO rapidamente; Independência da Escócia: 19 de outubro de 2023 proposto como data para novo referendo
Comentários