China prepara-se para guerra comercial com os EUA

Vice-ministro chinês das Finanças disse que o país prefere evitar esta guerra entre as duas maiores potências económicas mundiais porque ambas as partes seriam prejudicadas.

Petar Kujundzic/Reuters

A China quer evitar uma guerra comercial com os Estados Unidos, mas está a preparar-se para a eventualidade disso acontecer, disse hoje o vice-ministro chinês das Finanças Zhu Guangyao, alertando que seria “prejudicar ambas as partes”, informa o DN.

Estas declarações à cadeia de televisão oficial CCTV são feitas num momento de tensão entre as duas potências em matéria comercial, mas também no campo político, depois da captura por Pequim de um ‘drone’ norte-americano no mar da China Meridional.

Uma guerra comercial entre as duas maiores economias do mundo, que são também os principais parceiros comerciais, acabaria por prejudicar as duas partes, alertou o vice-ministro das Finanças chinês. “Esperamos que não aconteça”, disse Zhu Guangyao, numa intervenção num fórum económico que decorreu em Pequim.

O governante chinês explicou, também, que, em caso de se iniciar uma guerra comercial, a China teria de recorrer tanto aos canais de comunicação bilaterais, como a organismos como a Organização Mundial do Comércio (OMC).

Na passada segunda-feira, a China pediu à OMC que inicie consultas com a União Europeia (UE) e os Estados Unidos da América sobre os seus métodos para impor taxas ‘antidumping’ contra produtos chineses.

O Ministério do Comércio chinês informou, em comunicado, que pediu a mediação da OMC, através do mecanismo de resolução de disputas, por considerar que Bruxelas e Washington falharam nos seus compromissos.

Pequim entende que, depois de se cumprirem 15 anos desde a sua entrada na OMC, todos os membros do organismo deviam conceder ao país o estatuto de “economia de mercado”.

Recomendadas

Emirados Árabes Unidos vão fornecer à Alemanha gás liquefeito e gasóleo em 2022 e 2023

Segundo a agência noticiosa oficial dos Emirados, Wam, o acordo prevê a exportação de uma carga de gás natural liquefeito (GNL) para a Alemanha no final de 2022, seguida do fornecimento de quantidades adicionais em 2023.

Angola cresce 3,5% este ano, mas abranda para 1,8% em 2023

“O forte crescimento de Angola este ano dificilmente vai prolongar-se para 2023, já que a produção petrolífera deverá regressar à tendência decrescente”, lê-se numa análise às maiores economias da África subsaariana, região que deverá ver o PIB deste ano expandir-se 3,3%, abrandando face aos 4,4% do ano passado.

China diz que EUA estão a enviar “sinais perigosos” sobre Taiwan

O ministro dos Negócios Estrangeiros chinês deixou claro que uma escalada das atividades independentistas torna difícil um acordo pacífico, no que diz respeito a Taiwan,
Comentários