China pressiona preços de matérias-primas em 2020 mas níquel contraria tendência

Num contexto de enfraquecimento da procura mundial, nenhuma economia emergente está a substituir a China como acelerador do consumo de matérias-primas, de acordo com os analistas da seguradora Crédito y Caución.

O enfraquecimento da procura mundial deixará a sua marca na evolução do preço das matérias-primas em 2020, sendo que a China já alcançou o nível de consumo ‘per capita’ de metais das economias avançadas, segundo o mais recente relatório da seguradora Crédito y Caución (CyC), divulgado esta segunda-feira, dia 16 de dezembro.

Nos últimos 20 anos, a participação da China no consumo mundial de metais aumentou de 10% para 50%, com um crescimento do consumo muito superior ao crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) mas para manter o crescimento da procura mundial, outras economias emergentes deveriam ganhar maior peso. “Não estamos a ver isso a acontecer. Um país de rápido crescimento como a Índia tem um crescimento do consumo de metais igual ao crescimento do PIB per capita. A procura mundial de ‘commodities’ está agora mais alinhada com o crescimento do PIB”, afirmam os analistas da companhia de seguros.

O enfraquecimento dos preços caracteriza o quadro geral das matérias-primas, mas a CyC ressalva algumas exceções. Uma delas é o níquel, com um aumento de preços de quase 70% desde o início do ano. Este mineral é usado em baterias para carros elétricos, cuja procura deve ser estimulada à medida que a transição energética progrida. Acresce que a Indonésia proibiu as exportações a partir de 2020, o que contribuiu para a explosão de preços.

Os preços de outros produtos básicos também estão sob pressão. O alumínio ou o cobre, usados em produtos cada vez mais populares e sustentáveis, como os carros elétricos, dá algum suporte aos preços. Mesmo assim, o preço caiu em 2019 devido à ampla disponibilidade desta matéria-prima. Os preços do zinco ainda estão sob maior pressão: caíram 12% em 2019, devido à fraqueza dos setores da Construção e Automóvel. Isto porque houve investimentos recentes que aumentaram a capacidade de produção, o que resultou num certo excesso de oferta.

O mercado de aço está a passar por uma evolução estrutural. Os preços caíram mais de 13% em todo o mundo, à medida que a produção mundial cresceu (5%), impulsionada pela China (9%) e pelos Estados Unidos (6%), sem uma correspondência clara com a procura. Atualmente, o excesso de capacidade no mercado de aço, de acordo com as estimativas mais fiáveis, é de 24%.

Recomendadas

JE Podcast: Ouça aqui as notícias mais importantes desta sexta-feira

Da economia à política, das empresas aos mercados, ouça aqui as principais notícias que marcam o dia informativo desta sexta-feira.

Portugal reforça cuidados em embaixadas após cartas armadilhadas em Espanha

“Estamos a dar indicações às nossas embaixadas para terem atenção redobrada a encomendas ou correio que recebam”, disse, em declarações à agência Lusa, João Gomes Cravinho, a partir de Lodz (Polónia), garantindo que as missões portuguesas no exterior “estão atentas, em função do que aconteceu em Espanha nos últimos dias”.

Alteradas quatro declarações modelo usadas na entrega do IRS

As mudanças hoje publicadas vigoram a partir de 1 de janeiro e são justificadas com as alterações ao Estatuto da Ordem dos Contabilistas Certificados, relativo ao justo impedimento de curta duração, mas quanto à declaração anual de rendas (modelo 44) é também introduzida a obrigação de entrega exclusivamente por transmissão eletrónica de dados, a partir de 2023.
Comentários