China proíbe importação de mais de cem produtos alimentares de Taiwan

Nas últimas horas, a Administração Aduaneira da China publicou no seu ‘site’ uma lista de empresas de Taiwan cujos produtos são imediatamente proibidos e alegou, sem mais pormenores, que estas empresas violavam “regulamentos importantes”.

China

A China proibiu a importação de mais de cem produtos alimentares e agrícolas de Taiwan num momento de tensão em torno da possível chegada a Taipé da líder da Câmara dos Representantes dos EUA.

Nas últimas horas, a Administração Aduaneira da China publicou no seu ‘site’ uma lista de empresas de Taiwan cujos produtos são imediatamente proibidos e alegou, sem mais pormenores, que estas empresas violavam “regulamentos importantes”.

Esta seria a primeira reação direta da China à possibilidade, avançada pelos meios de comunicação social dos EUA e de Taiwan, de Nancy Pelosi aterrar esta noite em Taipé, numa visita não anunciada, como parte de uma digressão pela Ásia, à qual Pequim já advertiu que responderá com força.

De acordo com o jornal taiwanês UDN, a medida irá “causar sérios danos às indústrias alimentares, agrícolas e pesqueiras” no território, que já tinha sido alvo de um golpe comercial por parte de Pequim no ano passado, quando proibiu a exportação de ananases e outras culturas devido a um alegado risco de pragas.

Pelosi anunciou que visitaria Taiwan em abril passado, mas cancelou a viagem pouco depois de ter tido um teste positivo à covid-19. Várias delegações do Congresso dos Estados Unidos visitaram Taipé nos últimos meses.

A China reclama a soberania sobre a ilha e considera Taiwan uma província rebelde desde que os nacionalistas do Kuomintang se retiraram para o local em 1949, após perderem a guerra civil contra os comunistas.

Taiwan, com o qual os Estados Unidos não têm relações oficiais, é uma das principais fontes de conflito entre a China e os EUA, principalmente porque Washington é o principal fornecedor de armas de Taipé e seria o seu maior aliado militar no caso de uma guerra com o gigante asiático.

As tensões aumentaram no Estreito de Taiwan durante o último ano, com crescentes incursões de aviões chineses na zona de identificação aérea auto-definida de Taiwan, e porque a Presidente Tsai Ing-wen admitiu que os EUA têm uma presença militar na ilha, o que Pequim descreveu como uma “provocação”.

A passagem de navios militares norte-americanos pelo Estreito de Taiwan nos últimos meses foi também repetidamente condenada por Pequim.

Recomendadas

Pentágono afirma que 80 mil soldados russos foram mortos ou feridos na Ucrânia

Cerca de 80.000 soldados russos foram mortos ou feridos desde o início da invasão da Ucrânia, disse hoje o número três do Pentágono, Colin Kahl, salientando que os alvos anunciados pelo Presidente russo, Vladimir Putin, ainda não foram atingidos.

Lapid diz que Israel “cumpriu todos os objetivos” no ataque à Faixa de Gaza

O primeiro-ministro israelita Yair Lapid afirmou hoje que a Operação Amanhecer contra a Jihad Islâmica em Gaza “cumpriu todos os seus objetivos” e que a totalidade do alto comando militar do grupo “foi atacado com êxito em três dias”.

Brasil/Eleições. Juíza pede à PGR investigação contra Bolsonaro por ataque às urnas eletrónicas

A juíza Rosa Weber, do Supremo Tribunal Federal (STF) do Brasil, enviou esta segunda-feira à Procuradoria-Geral da União (PGR) um pedido de investigação contra o Presidente brasileiro, Jair Bolsonaro, por ter feito ataques ao sistema eleitoral num encontro com embaixadores.
Comentários