China quer dominar reconhecimento facial

Os temas mais sensíveis entre os EUA e a China têm mais relação com supremacia tecnológica do que com tarifas. O objetivo é desenvolver e dominar o setor da Inteligência Artificial a nível global.

O mundo fala de “guerra comercial”, mas os temas críticos entre os EUA e a China têm mais relação com supremacia tecnológica do que com tarifas. Ainda na quarta-feira, após uma cimeira da NATO, Donald Trump fez questão de salientar que os países da Aliança Atlântica não irão continuar a desenvolver a relação com a Huawei.

O “Financial Times” noticiava, na edição de terça-feira, que a China está a tentar criar standards internacionais na área do reconhecimento facial que sejam adotados pela União Internacional de Telecomunicações (ITU). O objetivo da China é influenciar as economias em desenvolvimento de África, Ásia e Médio Oriente, regiões que não dispõem dos recursos técnicos ou financeiros necessários ao desenvolvimento de soluções próprias e por isso aderem normalmente aos standards da ITU. A Europa e América do Norte trabalham com outros organismos e arriscam-se a perder o momento de entrada a nível global.

A China tem mostrado especial interesse no desenvolvimento do reconhecimento facial em África, por ser tecnicamente mais exigente, e já instalou dezenas de milhares de câmaras em países como a África do Sul e o Uganda. O objetivo é desenvolver e dominar o setor da Inteligência Artificial a nível global.

Recomendadas

PSI fecha no ‘vermelho’. Jerónimo Martins perde mais de 6%

Houve apenas duas cotadas a terminarem a sessão em terreno positivo. Os CTT fecharam a valorizar 3,82% para os 2,72 euros e a Galp cresceu 0,44%, com as suas ações nos 9,63 euros. No mercado cambial, o euro está a ter uma valorização de 0,46% face ao dólar, para os 0,9779 euros.

Wall Street arranca ‘mista’ numa Europa mergulhada no ‘vermelho’

A a Amazon está em destaque, após anunciar um aumento do salário médio dos trabalhadores de armazém, bem como os trabalhadores de entregas. O anúncio antecede em duas semanas o segundo evento de ofertas Prime Day da Amazon, marcado para 11 e 12 de outubro, evento que provocou uma crescente pressão sindical sobre a empresa.

PSI segue sessão em terreno negativo. Jerónimo Martins perde mais de 4%

As principais bolsas europeias também encontram-se todas no ‘vermelho’, com o IBEX 35 (Espanha) a desvalorizar 1,38%, o CAC 40 (França) a perder 1,14%, o DAX (Alemanha) a cair 1,12% e o FTSE 100 (Reino Unido) a recuar 0,79%.
Comentários