China vai reduzir tarifas de importação em mais de 850 produtos

O anuncio é um claro sinal de que as tensões entre China e Estados Unidos estão a arrefecer. A redução entrará em vigor no dia 1 de janeiro de 2020 e vai ser aplicada em bens como carne de porco congelada, abacate e papel.

O Ministério das Finanças da China anunciou que irá reduzir as tarifas de importação sobre uma série de produtos importados pelo os Estados Unidos, nomeadamente a tecnologia, carne de porco e até abacates.

O anúncio chega dias depois de Pequim e Washington alcançarem um acordo preliminar na guerra comercial promovida pelos Estados Unidos, que abalou os mercados financeiros e pressionou o crescimento global nos últimos 18 meses.

Entre os produtos que serão beneficiados estão a carne de porco congelada, componentes de alta tecnologia, como equipamentos de testes de semicondutores e chips de memória, além de medicamentos para diabetes e asma e papel.

De acordo com o Ministério das Finanças, citado pela agência de notícias estatal Xinhua, o ajuste visa aumentar as importações e promover o desenvolvimento coordenado do comércio. O plano também reduzirá as tarifas de mais de oito mil produtos para 23 países e regiões que têm acordos de livre comércio com a China, incluindo Austrália, Coreia do Sul, Islândia, Nova Zelândia e Paquistão, a partir do próximo ano.

Para além desta medida beneficiar a economia global, Pequim também sai a ganhar visto esta ser uma oportunidade para recuperar o seu crescimento económico lento, que cresce nos níveis mais baixos dos últimos 30 anos. Com esta redução abre-se assim uma porta para a gigante asiática importar mais produtos dos Estados Unidos sem violar as regras comerciais internacionais.

Além disso, está já também definido que o acordo comercial de Fase 1 delineado entre os EUA e a China vai ser assinado em janeiro – o que tem ajudado a dissipar os receios nesta frente.

Recomendadas

Consórcio confirma existência de petróleo em São Tomé e Príncipe

O consórcio é composto pela Galp STP (operador) com 45% de interesses participativos, Shell STP com 45%, e a ANP–STP, em representação do Estado são-tomense, com 10% de interesses participativos.

Bósnia-Herzegovina: eleições ensombradas por milhares de votos inválidos

Quatro dias após as eleições, ainda não há resultados validados e o risco do não reconhecimento do ato eleitoral ou da sua repetição é grande. Entretanto, na República Srpska, Mirolad Dodic jura fidelidade a Moscovo.

Lado turco de Chipre exige reconhecimento às forças de paz da ONU

A República Turca do Chipre do Norte, país que só a Turquia reconhece, quer que a força de paz da ONU, que está no terreno desde 1964, reconheça a existência do país. Ou então que se retire.
Comentários