China acusa EUA de pagar a atletas para “sabotarem” Jogos Olímpicos de Inverno

As alegações chegam a menos de uma semana do início dos JOI, numa altura particularmente sensível entre as duas superpotências, que já motivou um boicote diplomático ao evento pelos Estados Unidos, ao qual vários outros países se juntaram.

O ministério das Relações Exteriores da China acusou os Estados Unidos de planearem interferir e “sabotar” os Jogos Olímpicos de Inverno (JOI) em Pequim, pagando a atletas de alguns países para fazerem esforços tímidos na competição e criticarem a China, avança a “Reuters”.

As alegações chegam a menos de uma semana do início dos JOI, numa altura particularmente sensível entre as duas superpotências, que já motivou um boicote diplomático ao evento pelos Estados Unidos, ao qual vários outros países se juntaram.

Questionada sobre as alegações chinesas, a embaixada dos EUA em Pequim reiterou no sábado uma posição anterior de que Washington não estaria a coordenar uma campanha global sobre a participação nos JOI.

O “China Daily”, jornal de língua inglesa dirigido pelo departamento de publicidade do partido comunista chinês, citou “fontes não identificadas” que acusam os Estados Unidos de ter um plano para “incitar atletas de vários países a expressarem o seu descontentamento em relação à China, atuar passivamente na competição e, até, recusarem-se a participar”. Em troca, Washington forneceria uma grande compensação e “mobilizaria recursos globais” para ajudar a proteger a reputação dos atletas que optarem por competir passivamente.

Questionado se o ministério das Relações Exteriores chinês acredita que a alegação é válida. Um porta-voz do ministério disse à “Reuters” este sábado, 29 de janeiro, que o relatório “expôs a real intenção de alguns norte-americanos de politizar o desporto e sabotar e interferir nos Jogos Olímpicos de Inverno em Pequim”.

O porta-voz disse que condenou veementemente as tentativas de alguns norte-americanos de “comprarem” atletas e “causarem problemas” durante os JOI, acrescentando que essas tentativas estão “condenadas ao fracasso”.

Por sua vez, um porta-voz da embaixada dos EUA disse que “não estávamos e não estamos a coordenar uma campanha global sobre a participação nos JOI”.

“Os atletas dos EUA têm o direito de se expressar livremente de acordo com o espírito e as regras dos Jogos, o que inclui o avanço dos direitos humanos”, disse o porta-voz.

Os Estados Unidos anunciaram em dezembro um boicote diplomático aos Jogos devido ao que apelidaram de “atrocidades” aos direitos humanos na China, uma medida que foi seguida pelos aliados Austrália, Reino Unido e Canadá, mas que não impede que atletas norte-americanos viajem a Pequim para competir.

A China rejeitou as alegações de abuso dos direitos humanos e tem vindo a criticar repetidamente a politização dos Jogos.

Recomendadas

Atlético de Madrid contrata novo craque, mas não é para jogar à defesa

Luva de Pedreiro, nome artístico de Iran Ferreira, ganhou fama nas redes sociais ao partilhar vídeos onde mostra as suas capacidades com a bola de futebol nos pés.

O modelo de negócio para o futebol do empresário americano que esteve interessado no Benfica

John Textor apresenta um modelo que poderá permitir baixar os custos com transferências e contratos dos atletas, na procura de fazer frente aos clubes mais ricos. O empresário presente nos campeonatos de Inglaterra, Brasil e Bélgica e agora parece próximo de chegar à liga francesa.

Liga Portugal lança campanha contra o ódio no futebol

“Mais Futebol, Menos Ódio” é o nome da nova campanha de sensibilização sobre as manifestações de ódio aos intervenientes do jogo. Será notória ao longo de toda a segunda jornada das competições profissionais.
Comentários