Choque mobilidade

Richard Florida, o “guru” das “Cidades criativas”, disse numa conferência em Lisboa que é mais do que nunca fundamental para as pessoas saberem reencontrar-se com os seus espaços, os seus hábitos quotidianos, a sua dimensão de qualidade de vida. O “diálogo” à volta dos novos conceitos de mobilidade e sustentabilidade domina os grandes fóruns internacionais […]

Richard Florida, o “guru” das “Cidades criativas”, disse numa conferência em Lisboa que é mais do que nunca fundamental para as pessoas saberem reencontrar-se com os seus espaços, os seus hábitos quotidianos, a sua dimensão de qualidade de vida. O “diálogo” à volta dos novos conceitos de mobilidade e sustentabilidade domina os grandes fóruns internacionais e a aposta em novos instrumentos para ganhar esta batalha do futuro não pára. A nova agenda da mobilidade, associada aos desafios do carro eléctrico, é um grande desafio para a nossa sociedade.
A aposta recente em Portugal no carro elétrico constituiu um passo importante na construção dessa nova “sociedade aberta” centrada na defesa do ambiente, utilização de energias renováveis e consolidação duma relação mais dinâmica entre as pessoas e o seu espaço. A tentação do carro elétrico protagoniza um compromisso entre a ecoeficiência, essencial em tempo de escassez energética, e um novo conceito de integração urbana, assente na qualidade de vida das pessoas.
O carro elétrico representa de facto uma nova resposta às expetativas de uma sociedade cada vez mais exigente nas suas solicitações de uma vida complexa. O carro elétrico corresponde a um modelo de arquitetura simples, habitabilidade adequada e motorização assente em baterias elétricas que assegura uma autonomia limitada mas permanentemente recarregada. Ou seja, o carro elétrico assume-se como um “passo em frente” face a soluções de carros de cidade já em ação, com a vantagem suplementar da aposta em novas fontes de energia e conceitos de defesa do ambiente.
O sucesso do carro elétrico depende de três grandes fatores. Antes de mais, da capacidade do construtor em assegurar um modelo técnica e economicamente viável e cuja utilidade efetiva seja percebida pelo consumidor. Depois, torna-se fundamental que o nível de assistência e apoio na sua utilização esteja em permanente renovação, de forma a conseguir um elevado nível de cumprimento das expetativas criadas. Mais do que tudo, o carro elétrico tem que passar a assumir-se como um “operador de modernidade” essencial para garantir a tão sustentabilidade estratégica assente na defesa da energia e do ambiente.
A produção do carro elétrico representa também um desafio para os conceitos tradicionais da indústria automóvel. Não restam dúvidas de que os conceitos de “produção em séries adequadas” associadas ao perfil de carro que se pretende vai implicar um salto em frente na gestão da organização industrial. O carro elétrico, pelos enormes requisitos que suscita em matéria de cumprimento de normativos ambientais e energéticos vai obrigar a uma revolução do conhecimento na forma como se incorporam módulos, utilizam motorizações e sobretudo se posiciona um conceito de produto voltado para os novos espaços ambientais.
As pessoas precisam de uma nova liberdade. Assente na sua convicção de que estão a ocupar um espaço que sendo de todos é no entanto enriquecido por uma leitura individual assente na inovação e criatividade. O carro elétrico vem dar o seu contributo. Incentiva a utilização de energias renováveis, qualifica o ambiente, dá uma nova dimensão ao espaço público das cidades. É uma tentação que veio para ficar.

Francisco Jaime Quesado
Presidente da ESPAP – Entidade de Serviços Partilhados da Administração Pública

Recomendadas

Agressão ginecológica: um episódio, apenas

Não será tempo de expormos mais abertamente a violência ginecológica a que nós mulheres somos expostas? Sim. E nada desculpa este cenário, nem a luta entre médicos ginecologistas e Governo. A cada agressão deve corresponder uma queixa formal. Só assim podemos dizer com propriedade: “Sou dona do meu corpo. Exijo respeito, seja em que circunstâncias for”.

Winter is coming

Já repeti este título em crónicas anteriores, mas este inverno provavelmente vai ser o mais difícil que atravessei.

Baixar o IRC?

O tema do IRC é importante para as empresas, não se percebendo, a meia dúzia de dias da apresentação do Orçamento do Estado, estas divergências.