PremiumChristine Ourmières-Widener: “O essencial para o futuro da TAP é ter mais produtividade”

CEO da TAP defende que o acordo de empresa deve assegurar mais produtividade. Metade dos tripulantes voa menos de 600 horas por ano, abaixo da média do sector, que ronda as 800 horas, diz. Ourmières-Widener admite prémio aos funcionários, se resultados forem positivos.

Após ter apresentado lucros de 111 milhões de euros no terceiro trimestre, a CEO da TAP está confiante no potencial da companhia aérea, mas diz que é preciso resolver o problema da produtividade.

Enquanto CEO, tem sido fácil gerir uma empresa que está continuamente sob os holofotes? Muitas vezes por causa de greves e questões políticas.
Não é fácil, porque existe muito ruído. E não é difícil apenas para mim, creio que também é para todos os funcionários da companhia, que gostavam de poder orgulhar-se da TAP. O facto de a empresa ser muitas vezes alvo de críticas não é bom para a motivação das pessoas. Daí que nós tenhamos de fazer uma boa gestão da comunicação interna e não apenas da externa. De resto, sabemos que mesmo quando temos bons resultados, nem sempre é isso que faz as manchetes dos jornais.

Conteúdo reservado a assinantes. Para ler a versão completa, aceda aqui ao JE Leitor

Relacionadas

Premium“Marie Antoinette? Toda a vida trabalhei para viver”

A CEO da TAP recusa a comparação da sua pessoa a Marie Antoinette, feita por um dos sindicatos, por não ter um passado aristrocrata. “Tenho trabalhado toda a minha vida para chegar onde estou hoje”.

PremiumMudança de sede permitirá reduzir endividamento da TAP

A presidente executiva da TAP diz que a mudança de instalações permitirá reduzir a pegada ambiental da companhia e proporcionar um ambiente de trabalho de acordo com as melhores práticas internacionais. Permitirá também “monetizar” aquele ativo imobiliário, que está neste momento a ser reavaliado, revela Christine Ourmiere-Widener.
Recomendadas

Exclusivo: Bónus milionário da CEO da TAP não é válido

O contrato assinado entre a TAP e a gestora francesa Christine Ourmières-Widener prevê um bónus que pode chegar a três milhões de euros no prazo de cinco anos, revela o documento, a que o Jornal Económico teve acesso. No entanto, o contrato não será válido, uma vez que uma das suas cláusulas prevêem que teria de ser aprovado pela Assembleia Geral da TAP SGPS, algo que nunca chegou a acontecer.

Pampilhosa da Serra assina novo contrato para assegurar transporte de passageiros

O município da Pampilhosa da Serra, no interior do distrito de Coimbra, vai pagar mensalmente mais de 15 mil euros a uma empresa para assegurar o serviço de transporte público de passageiros nas linhas que funcionam atualmente.

Martifer com contrato de 68 milhões para fazer viadutos ferroviários em Birmingham

“O fabrico da estrutura metálica será realizado maioritariamente no pólo industrial do grupo Martifer, em Oliveira de Frades, permitindo reforçar a vertente exportadora do grupo Martifer, que atualmente representa mais de 85 % do volume de negócios do segmento de estrutura metálica em Portugal”, refere a empresa.
Comentários