Chuto no euro. “Bota” italiana pode dar o “pontapé de saída”?

Em Itália, existem três partidos da oposição e todos estão a favor da saída do país da moeda única.

Luke MacGregor/Reuters

“Depois do Brexit e de Donald Trump preparem-se para o regresso da crise à zona euro”. O aviso é de Wolfgang Münchau, editor do Financial Times, que prevê aquele que pode ser o “pontapé de saída” para uma nova crise europeia: “Se o primeiro-ministro italiano Matteo Renzi perde o referendo sobre a Constituição, terão lugar uma série de acontecimentos que poderão colocar em causa a permanência de Itália na zona euro”.

De acordo com este responsável do Financial Times, “as causas subjacentes desta possibilidade extremamente perturbadora não têm nada a ver com o referendo em si. A mais importante passa pela evolução económica que Itália conheceu desde que adotou o euro em 1999”.”Desde então”, explica Wolfgang Münchau, “a produtividade em Itália desceu perto dos 5% enquanto na Alemanha e em França o mesmo indicador subiu 10%”.

“A segunda causa passa pelo facto da UE não ter conseguido criar uma verdadeira união económica e bancária depois da crise e em vez disso impôs a austeridade. Se quer saber porque razão Angela Merkel não pode ser líder do mundo livre, aqui tem a resposta. A chanceler alemã não pode nem sequer dirigir a Europa, quando era tão necessário que o fizesse”, explica Münchau.

Para o editor do Financial Times, “a combinação destes dois fatores é o principal motivo do aumento gradual do populismo na Europa. Em Itália existem três partidos de oposição e todos estão a favor de que o país saia do euro. O maior e mais importante é o Movimento Cinco Estrelas, que não é de direita nem de esquerda. O segundo é o Força Itália, o partido Silvio Berlusconi, que agora se opõe radicalmente ao euro, depois do antigo primeiro-ministro ter sido obrigado a abandonar o cargo em 2011. E o terceiro é a separatista Liga Norte. Nos países democráticos é habitual que os partidos da oposição cheguem ao poder com tempo. Cabe esperar que isto suceda também em Itália”.

Recomendadas

Preços da energia em Itália vão subir ainda mais apesar de já estarem elevados

O Executivo de Roma já dedicou este ano 60 mil milhões de euros a medidas para procurar reduzir o impacto da subida destes preços.

Ucrânia: Putin defende perante Erdogan “direito de autodeterminação” de regiões anexadas

Num contacto com homólogo turco, informou o Kremlin em comunicado, Putin sublinhou que os referendos separatistas “decorreram em condições de transparência e em plena consonância com as normas e princípios do direito internacional”.

Ucrânia: Forças ucranianas recuperam controlo de cidade de Kupiansk

Parte da zona naquela região já tinha sido retomada aos russos no início de setembro, graças à contraofensiva ucraniana na região de Kharkiv.
Comentários