CIA acusa Rússia de intervir na eleição de Donald Trump

À medida que a campanha presidencial se aproximava do fim, funcionários do governo russo dedicaram cada vez mais atenção ao esforço de Donald Trump para ganhar a eleição.

REUTERS / Carlo Allegri

A CIA concluiu que a Rússia interveio nas eleições presidenciais norte-americanas com o objetivo de ajudar o presidente eleito Donald Trump a vencer a corrida à Casa Branca, e não apenas para minar a confiança no sistema eleitoral dos EUA, disse um alto funcionário norte-americano nesta sexta-feira à agência Reuters.

Os serviços secretos norte-americanas avaliaram que, à medida que a campanha presidencial de 2016 se aproximava do fim, funcionários do governo russo dedicavam cada vez mais atenção ao esforço de Donald Trump para ganhar a eleição, informa a agência de notícias.

O “Washington Post” informou na sexta-feira que as autoridades em questão identificaram pessoas com ligações ao governo russo que disponibilizaram ao WikiLeaks milhares de e-mails pirateados do partido democrata, incluindo do presidente da campanha de Hillary Clinton.

O ainda presidente, Barack Obama, ordenou aos serviços secretos que investigassem os ataques cibernéticos e a intervenção estrangeira nas eleições de 2016 e entreguem um relatório antes de deixar o cargo em 20 de janeiro, disse a Casa Branca, nesta sexta-feira.

Os hackers russos centraram quase toda a sua atenção nos democratas. Praticamente todos os e-mails que foram publicados eram potencialmente prejudiciais para Clinton e para os democratas, disse o funcionário à Reuters.

“Esta foi uma pista importante para sua perceber a intenção”, disse o oficial. “Se tudo o que eles queriam era desacreditar o nosso sistema político, por que publicar as falhas de apenas um partido, especialmente quando do outro lado está um alvo como Trump?”, realçou.

Um segundo funcionário familiarizado com o relatório, afirmou que os analistas da CIA, independentemente das motivações da Rússia, não acreditam que os esforços de Moscovo tenham alterado ou afetado significativamente o resultado das eleições.

Recomendadas

Chefe do Estado-Maior são-tomense demite-se após ataque a quartel militar

O chefe do Estado-Maior das Forças Armadas de São Tomé e Príncipe pediu hoje a demissão, denunciando “atos de traição” e condenando os “factos horrorosos” que envolveram a morte de quatro detidos após um ataque ao quartel-general militar.

Orbán usou dados fornecidos na vacinação Covid pelos húngaros para impulsionar campanha eleitoral

“Usar os dados pessoais das pessoas recolhidos para que possam aceder a serviços públicos para bombardeá-los com mensagens de campanha política é uma traição de confiança e um abuso de poder”, disse Deborah Brown, da Human Rights Watch.

Projeto “Ponte nas ondas” integra Boas Práticas de Património Imaterial da UNESCO

O projeto luso-galaico “Ponte nas Ondas” foi hoje reconhecido pela UNESCO, em Rabat, Marrocos, passando a integrar o Registo de Boas Práticas de Salvaguarda de Património Cultural Imaterial daquela organização internacional, tornando-se na primeira candidatura portuguesa da lista.
Comentários