Ciberataque aos EUA, confronto militar com o Irão, instabilidade na Venezuela. As principais ameaças a ter em atenção em 2019

Relatório de Prioridades Preventivas do Council on Foreign Relations destaca várias ameaças à segurança global que poderão concretizar-se durante o ano de 2019. Desde um ciberataque a redes de infraestruturas nos EUA até um eventual confronto militar com o Irão, passando pela instabilidade na Venezuela e também na Península Coreana.

É o 11º Relatório de Prioridades Preventivas do Council on Foreign Relations e destaca nove ameaças à segurança global que poderão concretizar-se durante o ano de 2019. Desde 2008 que este think tank sediado em Nova Iorque pede a especialistas em política internacional que selecionem conflitos potenciais ou em curso que consideram ter uma maior probabilidade de concretizar-se (ou intensificar-se) no ano seguinte, analisando também o impacto dos mesmos relativamente aos interesses nacionais dos EUA. Apesar desse ponto de vista centrado nos EUA, o relatório não deixa de ter uma abrangência global.

Em 2019, uma das principais ameaças consistirá num possível ciberataque a redes de infraestruturas nos EUA, além de um eventual atentado terrorista em solo norte-americano. O relatório também aponta para a possibilidade de tensões reativadas na Península Coreana e fracasso das negociações de desnuclearização, confronto armado entre os EUA e o Irão, violência continuada na Síria, instabilidade na Venezuela e incremento da vaga de refugiados, agravamento da crise humanitária no Iémen, aumento da violência e instabilidade no Afeganistão e potencial confronto militar no mar do Sul da China.

 

Recomendadas

China diz que EUA estão a enviar “sinais perigosos” sobre Taiwan

O ministro dos Negócios Estrangeiros chinês deixou claro que uma escalada das atividades independentistas torna difícil um acordo pacífico, no que diz respeito a Taiwan,

Ucrânia. PM de Moçambique diz que “interesses do país” levaram a abster-se de condenar Rússia

“Não estamos a tomar posição nem de um lado, nem do outro. Estamos a tomar aquilo que a nossa Constituição nos diz para fazer e que é bom para o país e para os interesses de Moçambique”, salientou o primeiro-ministro moçambicano.

Lavrov acusa os EUA de “brincarem com o fogo” em Taiwan

Sergei Lavrov diz que os EUA estão a tentar fazer do mundo “o seu quintal” através da aplicação de sanções e acusa-os de “brincarem com o fogo” em Taiwan.
Comentários