Cibersegurança. Especialistas avisam que ataques informáticos vão continuar no futuro

Responsáveis defendem que os hackers vão continuar a utilizar as suas “skills” para ganharem dinheiro no mercado negro e que apesar da competência das autoridades policiais, estas não chegam a todo o lado. “Não podemos ter um polícia informático em cada esquina”.

Os ataques informáticos às grandes empresas é uma tendência que vai continuar no futuro próximo, defendem os especialistas ouvidos no no primeiro fórum dedicado à cibersegurança organizado pelo Jornal Económico (JE), que decorre no auditório do Edifício Quelhas, no Instituto Superior de Economia e Gestão da Universidade de Lisboa (ISEG) esta terça-feira, 19 de abril.

Filipe Custódio, Partner da VisionWave, não acredita em hackers bons ou maus, dado que considera o hacking uma atividade criminosa e compara-a com outro tipo de invasão de propriedade.

“Por exemplo, olhamos para um grafitti e podemos achar que está bem feito, mas numa propriedade privada é crime. No hacking é a mesma coisa. Há hackers que têm um grande conjunto de skills e vão utilizar isso no mercado negro que é onde lhes dá mais dinheiro”, afirmou, acrescentando que “uma boa forma de um grupo de hackers ser conhecido é fazer um ataque que moralmente seja bem aceite pela sociedade”.

Por sua vez, Nuno Nogueira, Diretor Executivo de Tecnologia da Decunify abordou o ataque através de fishing que hoje em dia é um dos mais comuns entre os utilizadores. “Quase todos nós já sofremos ataques de fishing e nem todos percebemos como é que estamos a ser alvo desse ataque”, realçou.

Já Jorge Cadeireiro, administrador da Nucase defendeu a necessidade de investir cada vez mais na segurança, integrando-a como no plano de negócio de uma empresa. “É um custo operacional anual que temos de contar com ele”, afirmou.

Para combater os futuros ataques informáticos Diogo Pata, Global Sales Engineer da Watchguard, acredita que a resposta será sempre a prevenção, através do controlo da identidade. “Corrigir vulnerabilidades e ter visibilidade sobre todos os comportamentos do utilizador”, assumiu.

Por seu turno, Filipe Custódio, Partner da VisionWave destacou o papel das autoridades policiais em Portugal, que apesar de terem bons meios de comunicação e cooperação internacional não podem investigar todos os ataques que são feitos.

“Não podemos ter um polícia informático em cada esquina. Queremos as autoridades quando existe de facto um ataque sério e quando as empresas não o conseguem resolver. Nas empresas é preciso formação. As empresas têm que ter os seus próprios meios, garantir que estão seguros no seu processo inicial e só depois em caso de necessidade chamar as autoridades”, explicou.

A formação é também defendida por Nuno Nogueira, Diretor Executivo de Tecnologia da Decunify. “É algo que temos deixado de parte. 95% dos ataque são de factor humano. Mas quantos desses colaboradores tiveram formação em cibersegurança? Se vão continuar a existir ataques? Claro que sim, porque a superfície de ataque vai crescer exponencialmente, assim como a digitalização da economia”, sublinhou.

Uma ideia partilhada por Jorge Cadeireiro, administrador da Nucase. “Se aumentamos a superfície digital, vai haver um acréscimo de ataques. É verdade que na utilização pessoal é preciso haver algumas iniciativas para evoluirmos nessa conscienlização, mas tudo isto gira tão rápido que é impossível não existirem mais ataques”, salientou.

Relacionadas

Cibersegurança no sector financeiro. “A sustentabilidade dos riscos tem a ver com a preparação”

Durante o fórum dedicado à cibersegurança organizado pelo Jornal Económico, a head of IT da Fidelidade, considerou que a sustentabilidade dos riscos está diretamente relacionada com a preparação, defendendo um maior investimento por parte das empresas na formação e na preparação das suas equipas.

Cibersegurança. Especialistas defendem mais formação nas empresas para prevenir ataques informáticos

Responsáveis de empresas tecnológicas alertam também para a necessidade de investir financeiramente para antecipar futuras falhas de segurança. “Não é uma questão de se, mas uma questão de quando vai acontecer”, salientam.

Cibersegurança no sector financeiro. “Empresas bem preparadas recuperam num tempo relativamente curto e recuperam tudo”

“As empresas que não estão [preparadas], levam muito tempo e perdem coisas no caminho”, disse hoje o diretor-geral do Gabinete Nacional de Segurança.
Recomendadas

Governo obriga gestores do Banco de Fomento a declarar rendimentos no TC

Fonte oficial do Ministério da Economia e do Mar esclarece ao Público que “mantêm-se em relação aos administradores as obrigações declarativas e, consequentemente, a entrega da declaração de rendimentos no Tribunal Constitucional”.

PremiumEndiama lança-se na refinação de ouro para ser ‘player’ de peso

O Grupo Endiama, através da Geoangol, vai avançar com a construção da Refinaria de Ouro de Luanda, localizada no Polo Industrial de Viana. Na próxima segunda-feira, 27 de junho, o ministro dos Recursos Minerais, Petróleo e Gás, Diamantino Azevedo, apresentará este projeto.

Os desafios e constrangimentos de Christine Ourmières-Widener no primeiro ano

Christine Ourmières-Widener cumpre este sábado um ano como presidente executiva da TAP, um período marcado pelos desafios e constrangimentos da execução do plano de reestruturação, um compromisso que assumiu no primeiro dia.
Comentários