Ciclos e estrutura

Temos que conseguir a par com o controlo da conjuntura, isto é, o controlo dos ciclos, com adequadas políticas anti cíclicas, mudar definitivamente a estrutura.

As taxas de crescimento do PIB para Portugal e para a União Europeia (UE) nos últimos três anos, juntamente com as previsões para 2022, não trazem boas notícias do ponto de vista de convergência.

Em 2018 o PIB per capita (PIBpc) na UE era de cerca de 28.270 euros, enquanto o português não ia além dos 18.190 euros (dados Eurostat), ou seja, em Portugal, em média, um cidadão recebia cerca de 64,3% do valor recebido por um cidadão europeu. Consideremos agora as taxas de crescimento do PIB desde 2019 para as duas geografias:

 

 2019202020212022 (previsão)
Portugal2,2-8,44,85,8
UE1,5-6,55,14,2

 

Se aplicarmos estas taxas ao PIBpc de 2018, concluímos que no final de 2022 teremos a Europa com cerca de 29.382 euros e Portugal com 18.881 euros. Ou seja, em média um cidadão português receberá cerca de 64,2% de um cidadão europeu. Não estamos muito pior, é certo, mas também não estamos melhor. Ou seja, não conseguimos convergir.

O problema, a meu ver, é que a questão da convergência não se consegue debelar sem darmos um verdadeiro salto estrutural. Em economia trabalhamos com dois conceitos: o PIB efetivo (aquele que se produz todos os anos e que varia com os ciclos económicos) e o PIB potencial (aquele que poderíamos atingir se fizéssemos uma utilização plena e eficiente de todos os nossos recursos).

As taxas de crescimento apresentadas dão-nos precisamente a variação do PIB efetivo, ou seja, a extensão dos ciclos económicos. Claramente em 2020 tivemos uma recessão e estamos agora num momento de expansão. Mas esta expansão, ainda que se prolongue e reforce em 2022, não é suficiente para darmos o salto e para nos aproximarmos da Europa.

Para o conseguirmos temos que conseguir o que chamamos uma quebra de estrutura, isto é, temos que conseguir alterar o PIB potencial. Temos que conseguir aumentar de forma significativa os recursos disponíveis na economia para ser possível que, a funcionar em pleno, livre de ciclos económicos, a nossa capacidade de gerar produto e, logo, rendimento, seja substancialmente maior.

Temos que conseguir a par com o controlo da conjuntura (isto é, o controlo dos ciclos, com adequadas políticas anti cíclicas) mudar definitivamente a estrutura.

Recomendadas

Guerra trava aumento do PIB acima do previsto

Portugal (e o mundo) foi surpreendido pelo fator de incerteza à economia global. Efeitos do conflito militar da Ucrânia poderão conduzir a um menor crescimento económico da zona euro.

O efeito ‘matrioska’ nas exportações e retoma nacionais

Como na ‘matrioska’, os efeitos do conflito militar têm várias faces. O aumento dos custos energéticos e inflação são os mais visíveis. Deterioração financeira dos parceiros comerciais, logo menos compras a Portugal, ameaçando a retoma.

“O mais provável é que a economia portuguesa saia prejudicada” do conflito na Ucrânia

A inflação vinha colocando um ponto de interrogação na recuperação económica europeia, gerando expectativa para uma possível subida das taxas de juro ainda este ano, mas a guerra na Ucrânia gera ainda mais incerteza. Em Portugal, consolidação orçamental deve continuar.
Comentários