Cidadãos ucranianos na Madeira estão com dificuldades em conseguir emprego (com áudio)

Já chegaram à região 420 pessoas refugiadas da guerra, “na sua maioria mulheres, muitas crianças e alguns idosos”. Pelo menos 30 já foram inseridos no mercado de trabalho, disse a secretária regional da Inclusão Social e Cidadania.

Os cidadãos ucranianos que se refugiaram na Madeira, devido à guerra entre Rússia e Ucrânia, estão com dificuldades de integração no mercado de trabalho, reconheceu a secretária regional da Inclusão Social e Cidadania, Rita Andrade.

“Neste momento, não tem sido tão fácil a inserção profissional das pessoas com origem na Ucrânia, contrariamente ao que inicialmente tínhamos previsto”, afirmou Rita Andrade, justificando que os primeiros ucranianos que ficaram na Madeira eram turistas e “falavam muito bem línguas”, enquanto muitos dos que foram, entretanto, chegando à região não dominam o inglês nem o português.

Além disso, a grande maioria dos refugiados na Madeira são mulheres com crianças, que não têm estrutura familiar e, por isso, apresentam maiores dificuldades de inserção no mercado de trabalho, acrescentou a governante, que falava à margem de uma sessão de assinatura de contratos de criação de novas empresas, no âmbito de um programa promovido pelo Instituto de Emprego.

Sendo a hotelaria o setor que necessita de mais mão de obra, é necessário “ver quais é que destas pessoas falam línguas para poderem estar num setor como este e depois que retaguarda e apoio familiar é que têm para poderem ter determinados horários”, referiu.

“Estamos a tentar fazer pelo melhor. O primeiro passo que demos foi a língua portuguesa, que é a maior barreira, e isso está a correr muito bem. São pessoas que aprendem muito rapidamente, já chegámos a mais de 100 pessoas ucranianas para falar a língua portuguesa”, salientou a secretária regional da Inclusão Social e Cidadania.

De acordo com Rita Andrade, já chegaram à região 420 pessoas refugiadas da guerra na Ucrânia, “na sua esmagadora maioria mulheres, alguns idosos e muitas crianças”.

Relativamente ao número de ucranianos inseridos no mercado de trabalho, a governante disse ter conhecimento formal de cerca de 30.

A Rússia lançou em 24 de fevereiro uma ofensiva militar na Ucrânia que já matou mais de quatro mil civis, segundo as Nações Unidas, que alertam para a probabilidade de o número real ser muito maior.

A ofensiva militar causou a fuga de mais de oito milhões de pessoas, das quais mais de 6,6 milhões para fora do país, de acordo com os mais recentes dados da ONU.

A invasão russa foi condenada pela generalidade da comunidade internacional, que respondeu com o envio de armamento para a Ucrânia e o reforço de sanções económicas e políticas a Moscovo.

Recomendadas

SATA prevê saída de 150 trabalhadores até final de 2023 através de rescisões negociadas

Cerca de 100 trabalhadores já saíram da companhia aérea açoriana SATA desde que foi lançado o primeiro programa de rescisões, em 2020.

Funchal Jazz começa esta segunda-feira “ao nível dos melhores eventos do jazz a nível mundial”

O evento, com a direção artística de Paulo Barbosa representa um investimento, no valor superior a 120 mil euros.

Sociedade de Desenvolvimento do Porto Santo abre concurso para exploração de espaço de restauração

As propostas deverão ser apresentadas até ao dia 14 de julho de 2022.
Comentários