Cidade vizinha de Chernobyl monta árvore de Natal pela primeira vez em 33 anos

É a primeira árvore de Natal da cidade de Pripyat desde o acidente nuclear de Chernobyl de 1986.

DR EPA-EFE/STEPAN FRANKO

Os antigos moradores de Pripyat, localizada a três quilómetros da central nuclear de Chernobyl, na Ucrânia, voltaram à cidade abandonada depois da maior catástrofe nuclear da história para erguer uma árvore de Natal, a primeira desde 1986, quando o acidente aconteceu.

A árvore foi montada em frente ao Palácio da Cultura Energuetik e enfeitada com decoração tradicional e com fotos de infância dos ex-moradores, relata a agência de notícias russa Tass, esta quinta-feira.

Pripyat foi fundada em 1970 como uma cidade para alojar os engenheiros, físicos e técnicos que tinham sido contratados para construir uma central nuclear vizinha, neste caso a de Chernobyl.

Em 1986, o reator número 4 de Chernobyl explodiu. A cidade de Pripyat, com cerca de 50 mil habitantes e construída junto à central de energia atómica, foi evacuada 36 horas depois do acidente. No total, cerca de 350 mil pessoas foram retiradas ao longo de anos de um perímetro de 30 quilómetros em redor da central.

Chernobyl contaminou de tal forma o país que chegou ao ponto de obrigar a retirada de população de 485 aldeias. Os níveis elevados de radioatividade contaminaram 4,5% do território da Ucrânia, 0,5% da Rússia e 23% do solo bielorrusso deixou de ser aproveitado. A operação de limpeza subsequente envolveu mais de 600 mil pessoas, cerca de 10% das quais morreram e 165 mil ficaram desabilitadas.

Apesar da tragédia, a central e a cidade fantasma de Pripyat são hoje, 33 anos depois, um centro turístico em crescimento da Ucrânia. De acordo com as estatísticas oficiais, cerca de 50 mil pessoas, 70% das quais estrangeiras, visitaram Chernobyl no ano passado, o que representa um aumento de 35% em relação a 2016 e de 350% relativamente a 2012.

Recomendadas

PremiumPreservar o mirandês num mundo onde as línguas regionais estão em extinção

Em Terra de Miranda, há elementos da sociedade civil que não deixam esmorecer uma causa que entendem ser nacional e não apenas regional: a preservação da língua e cultura mirandesa. As suas propostas constam do Roteiro para a região, já apresentado aos decisores políticos e assente numa visão de futuro.

2022, ano de esperança: “recuperação criativa e comercial”

O que procura o consumidor num relógio? “Atualmente os clientes compram um relógio pela beleza da peça. Usam-no como uma joia e não como uma ferramenta”, diz Carlos Rosillo, CEO da Bell & Ross.

“Vamos manter a nossa presença no mercado e surpreender!”

A coleção de Natal que Eugénio Campos nos traz este ano é “acima de tudo, uma coleção com muita criatividade, inspirada na família e no sentimento, e pensada para que seja uma coleção de gerações”, garante o seu criador.
Comentários