Cientistas (incluindo portugueses) anunciam um novo marco em fusão nuclear: 59 megajoules de energia sustentada

O valor recorde anunciado esta quarta-feira, 9 de fevereiro, é, segundo os investigadores, a demonstração mais clara nos últimos 25 anos do potencial da fusão nuclear para “fornecer energia de baixas emissões de carbono, segura e sustentável”.

Nasa – Unsplash

O consórcio EUROfusion, que inclui 4.800 cientistas, engenheiros, estudantes e técnicos de toda a Europa, entre os quais investigadores do Instituto de Plasmas e Fusão Nuclear (IPFN) do Instituto Superior Técnico, anunciou esta quarta-feira, 9 de fevereiro, ter sido atingido o valor recorde de 59 megajoules de energia de fusão sustentada.

O projeto Joint European Torus (JET) instalado perto de Oxford, no Reino Unido, é cofinanciado pela Comissão Europeia. O JET é o maior e mais poderoso “tokamak” operacional do mundo e este feito mais do que duplica o anterior recorde de energia de fusão de 21,7 megajoules obtido em 1997. O resultado surge na sequência de uma campanha experimental concebida pela EUROfusion com o objetivo de testar mais de duas décadas de avanços na fusão, e assim otimizar o arranque do projeto internacional ITER”, afirma o consórcio em comunicado enviado às redações.

Segundo o documento, os dados obtidos com estas experiências cruciais representam um grande impulso para o ITER, um projeto de investigação em fusão maior e mais avançado que o JET. Localizado no sul da França, o ITER é apoiado pela China, União Europeia, Índia, Japão, Coreia do Sul, Rússia e EUA, e visa demonstrar a viabilidade científica e tecnológica da energia de fusão.

“À medida que aumenta a pressão pública para que se lide com os efeitos das alterações climáticas através da descarbonização da produção de energia, esse sucesso é um grande passo em frente na demonstração da fusão nuclear como um meio seguro, eficiente e de baixas emissões para enfrentar a crise energética global”, salienta.

Bruno Soares Gonçalves, presidente do IPFN do Técnico, assinala a importância deste resultado para a preparação da operação do ITER e a concretização do uso da fusão nuclear para produção de eletricidade duma forma limpa e segura. “É com orgulho que os investigadores portugueses contribuem ativamente para este objetivo através da participação no consórcio Eurofusion e na construção do ITER”. Alcançar esta meta, acrescenta, “demonstra o empenho da comunidade de fusão europeia em contribuir para as metas de descarbonização apesar dos desafios que teremos ainda de superar para chegarmos à construção do primeiro reator experimental de demonstração de produção de energia elétrica.”

Bernard Bigot, Diretor Geral do ITER, explica que “um impulso sustentado de fusão baseada na mistura deutério-trítio a este nível de energia – quase à escala industrial – representa uma confirmação avassaladora para todos os que estão envolvidos no esforço global da investigação em fusão”. Para o ITER, afirma: “os resultados do JET dão uma forte confiança de que estamos no caminho certo para demonstrar o poder de fusão à escala total.”

Por seu turno, Tony Donné, coordenador do Programa EUROfusion (CEO), destaca a conquista, salientando todo o trabalho que a antecedeu: ““Esta conquista é o resultado de anos de preparação pela equipa de investigadores da EUROfusion por toda a Europa. O recorde e, sobretudo, as coisas que aprendemos sobre a fusão nuclear nessas condições e o modo como confirmam totalmente as nossas previsões, mostram que estamos no caminho certo para um futuro movido a energia de fusão”.

Se conseguimos manter a fusão por cinco segundos, podemos vir a fazê-lo por cinco minutos e depois por cinco horas, à medida que ampliamos a escala da nossa operação em máquinas futuras”, salienta.

“Enquanto EUROfusion –  explica Volker Naulin, líder do Departamento de Ciências da Fusão – “desenhámos esta campanha experimental no JET para preparar da forma ideal o arranque do ITER, investigando os processos energéticos que entrarão em jogo e preparando a próxima geração de investigadores. As experiências confirmaram as nossas previsões, motivando-nos a fazer o nosso melhor para garantir o sucesso atempado da operação do ITER. Os resultados suportam uma decisão antecipada para a central energética DEMO, uma vez que a fusão é necessária para a descarbonização a longo prazo das nossas fontes de energia”.

Cientistas celebram o “grande momento” para toda a comunidade de fusão. O valor recorde hoje anunciado é a demonstração mais clara nos últimos 25 anos do potencial da fusão nuclear “para fornecer energia de baixas emissões de carbono, segura e sustentável”.

 

Recomendadas

Milhares manifestam-se em Munique, contra cimeira do G7

Milhares de pessoas manifestaram-se hoje, pacificamente, em Munique, contra a realização da cimeira do G7 que começa no domingo na região, apelando aos líderes políticos mais ação em prol do clima.

Portugal propõe adiar meta de redução total das emissões no setor automóvel, refere associação Zero

Portugal e mais quatro países da União Europeia propõem adiar por cinco anos, até 2040, a redução em 100% das emissões de dióxido de carbono nos veículos ligeiros de passageiros e de mercadorias, contrariando uma decisão do Parlamento Europeu.

EDP quer investir 1,5 mil milhões de euros em projetos renováveis no oceano até 2025

A empresa reforça o investimento na energia eólica offshore e vai apresentar as suas ideias na conferência dos Oceanos, promovida pela ONU, na próxima semana.
Comentários