Cientistas da Universidade Lusófona entram na lista dos «mais influentes do mundo»

Marko Beko, Slavisa Tomic, Rui Dinis e Nuno Manuel Garcia são os investigadores da Lusófona que passam a estar neste grupo.

Google

Quatro cientistas/investigadores da Universidade Lusófona acabam de entrar para um grupo que reúne os mais influentes do mundo: Marko Beko, Slavisa Tomic, Rui Dinis e Nuno Manuel Garcia.

Os representantes pertencem à unidade de investigação COPELABS (Cognitive and People-centric Computing). Este departamento tem como objectivo o «desenvolvimento de soluções em rede» para as colocar ao serviço «da promoção da qualidade de vida».

A iniciativa de criar uma lista com os cientistas «mais influentes do mundo» partiu da Universidade de Stanford (EUA), que «desenvolveu um novo método para identificar» os possíveis integrantes, explica a Lusófona.

Para isso, a Universidade de Stanford «reuniu dados de investigação produzidos entre meados da década de 90 do século passado e o ano de 2019» – ao todo, foram reunidos quase 160 mil cientistas (159 683), considerados os mais influentes do mundo.

PCGuia
Recomendadas

Talent Protocol compra empresa canadiana ligada à blockchain

A escolha recaiu sobre a Agora Labs, fundada por um grupo de quatro adolescentes. Matthew Espinoza (agora com 20 anos) e Freeman Zhang (de 19 anos) juntam-se à equipa da startup portuguesa dos ‘tokens’ para profissionais talentosos.

Networkme recebe um milhão de euros para expandir negócio na Península Ibérica

O financiamento foi liderado pela sociedade de capital de risco Big Sur Ventures, que conta com a participação do banco espanhol Bankinter, através da Fundação Inovação Bankinter.

Maioria dos diretores de tecnologia nacionais querem implementar novas formas de cortar custos energéticos

Metade (54%) dos decisores inquiridos referem que as impressoras a jato de tinta os ajudarão a atingir o objetivo de redução de despesas, de acordo com os dados de um estudo da tecnológica japonesa Epson divulgado esta quinta-feira.
Comentários