Cientistas japoneses anunciam testes clínicos de nova vacina contra Ébola

Uma equipa de cientistas japoneses anunciou esta quinta-feira que vai começar a testar em humanos uma nova vacina contra o vírus Ébola, que atualmente afeta a República Democrática do Congo.

A vacina baseada numa forma inativa do vírus tem sido testada em animais no Instituto de Ciências Médicas da Universidade de Tóquio e a equipa espera conseguir “uma nova vacina segura e capaz de ser produzida eficazmente”, afirmou o especialista em doenças infecciosas Yoshihiro Kawaoka.

Cerca de 30 voluntários, homens e mulheres saudáveis, vão participar nos ensaios clínicos para a vacina contra o Ébola, que se transmite através do sangue e outros fluidos corporais e cujos sintomas são febre muito alta, dores musculares e articulares, dores de cabeça e de garganta e hemorragias.

Em média, o vírus é mortal para metade das pessoas infetadas, mas a taxa de mortalidade atinge por vezes 90 por cento, segundo a Organização Mundial de Saúde.

A epidemia na República Democrática do Congo já matou 2.200 pessoas desde agosto de 2018 e é a mais grave desde a que se verificou entre 2014 e 2016, que fez mais de 11.000 vítimas.

Recomendadas

Associação alerta que acesso a medicamentos genéricos pode ficar comprometido

“Caso não sejam implementadas medidas urgentes para assegurar a sustentabilidade da cadeia de produção dos medicamentos genéricos e biossimilares, é o acesso dos cidadãos à saúde que está comprometido”, adiantou a presidente da APOGEN.

“Vamos ter um momento de viragem do que é o SNS”

Há uma espécie de CEO no Serviço Nacional de Saúde. Com problemas identificados e a evidência de que a envolvente só vai piorar, a Associação Comercial do Porto (ACP) quis deixar alguns conselhos a Fernando Araújo.

Psicólogos escolares chamados a colmatar lacunas nos centros de saúde

O bastonário dos Psicólogos alertou hoje para a falta destes profissionais nos centros de saúde, adiantando que os psicólogos escolares estão muitas vezes a ser chamados para tratar situações que deviam ser resolvidas nos cuidados de saúde primários.
Comentários