CIN considerada a 11ª maior fabricante do sector de tintas a nível europeu

As receitas da empresa produtora de tintas chegaram aos 365 milhões de euros.

A CIN foi distinguida pelo European Coatings Journal como a 11ª maior fabricante do sector a nível europeu. As receitas da empresa, em 2021, chegaram aos 365 milhões de euros, um crescimento de 12% face ao ano anterior, o que permitiu subir duas posições no ranking europeu.

“Este é um marco importante e que evidencia o investimento constante em inovação e desenvolvimento e, simultaneamente, a perseverança de valores tão basilares para a CIN como o rigor e a qualidade”, disse o presidente do conselho de administração da CIN, João Serrenho.

A empresa salienta que atingiu máximos, em 2021, apesar da pandemia e da influência que isso teve na indisponibilidade de matérias-primas.

A CIN através da Sub-Unidade de Tinta em Pó ultrapassou as 10.000 toneladas fabricadas, enquanto que a Unidade de Construção Civil em Portugal chegou aos 140 milhões de euros em volume de negócios.

A capacidade instalada da CIN chega às 135 mil toneladas, através de 14 centros de armazenamento e distribuição, atingindo mais de 150 mil metros quadrados de área.

A empresa assegura a sua produção através de 10 fábricas localizadas em Portugal, Itália, Espanha, França, Angola e Moçambique.

O European Coatings Journal publica todos os anos o ranking dos 25 fabricantes de tintas e revestimentos mais vendidos na Europa, tendo por base as receitas de cada empresa, os quais incluem aquisições e fusões.

Recomendadas

Misericórdia contrata grupo Gabriel Couto para empreitada de 7,5 milhões

Reabilitação e construção de um empreendimento imobiliário no centro de Lisboa vai permitir a oferta de 32 novos apartamentos de tipologias diversas.

Media Capital passa de prejuízo a lucro de 40,7 milhões no primeiro semestre

A Media Capital passou de prejuízos de 8,4 milhões de euros no primeiro semestre de 2021 a lucros de 40,7 milhões de euros nos primeiros seis meses deste ano, anunciou esta quinta-feira a dona da TVI.

Sector das TI pode ganhar 100 mil milhões com as empresas de média dimensão europeias

Hendrik Willenbruch, sócio da Oliver Wyman, diz que as organizações “recorrem cada vez mais a fornecedores externos, especialmente as médias empresas, que consideram mais difícil atrair talento num ambiente de escassez geral de especialistas em recursos” tecnológicos.
Comentários