Novo contexto jurídico dificulta vida às empresas chinesas. Cinco deixam “voluntariamente” Bolsa de Nova Iorque

As petrolíferos Sinopec e PetroChina, a subsidiária da Sinopec com sede em Sangai, a seguradora China Life Insurance e a gigante de alumínio Chalco figuram na lista da SEC, regulador do mercado norte-americano, ameaçadas de expulsão de Wall Street no caso de não cumprimento dos novos requisitos de auditoria. Tomaram a decisão de sair.

3 – Sinopec (5,3%)

Cinco grandes grupos chineses cotados na Bolsa de Valores de Nova Iorque anunciaram, esta sexta-feira, a sua saída do mercado de ações norte-americano. São: as petrolíferos Sinopec e PetroChina, a seguradora China Life Insurance, a gigante de alumínio Chalco e a subsidiária da Sinopec com sede em Xangai.

As cinco empresas anunciaram em comunicados separados que esperam cessar a sua cotação em Wall Street já no início de setembro.

Todas justificam a decisão com os custos associados à permanência e ao ónus que representa o cumprimento das obrigações contabilísticas exigidas pela lei norte-americana. Já o regulador chinês dos mercados financeiros alega “considerações comerciais”.

Na realidade, há um novo contexto jurídico que dificulta a vida às empresas chinesas. Legislação aprovada pelo Congresso em 2020 obriga todas as cotadas nos Estados Unidos a ter contas auditadas. O incumprimento significará a exclusão. As empresas chinesas fogem à apresentação de relatórios financeiros a auditores licenciados nos Estados Unidos.

Em concreto, os cinco grupos que agora anunciam a sua saída de Wall Street figuram na lista de ameaçadas de expulsão pela autoridade reguladora de mercado americana, SEC, em caso de não cumprimento dos novos requisitos de auditoria, em vigor desde o final do ano passado.

Na última década, as empresas chinesas foram incentivadas a financiar-se através de IPOs (Oferta Pública Inicial) nos Estados Unidos, mas a crescente tensão entre Pequim e a os EUA, agravada pela recente visita da número três na hierarquia dos EUA, Nancy Pelosi, a Taiwan, está a levar a China a incentivar as empresas nacionais a procurar financiamento nas bolsas de valores de Hong Kong, Xangai, Shenzhen ou mesmo Pequim.

Relembre-se que em 2014, o pioneiro do comércio eletrônico, Alibaba protagonizou o maior IPO de sempre, levantando 25 mil milhões de dólares em Wall Street.

Este pode ser o início da debandada das mais de 250 empresas chinesas no mercado financeiro norte-americano, incluindo a Alibaba.

Recomendadas

Guterres condena “veementemente” golpe de Estado no Burkina Faso

O secretário-geral da ONU, António Guterres, condenou este sábado “veementemente”, num comunicado, “qualquer tentativa de tomada do poder pela força das armas” no Burkina Faso, um dia após um novo golpe de Estado no país, o segundo em oito meses.

Manifestantes denunciaram repressão violenta sobre ativistas no Irão

Milhares de manifestantes em várias universidades iranianas e em vários países protestaram este sábado contra a repressão sobre movimentos de protesto pela morte de Mahsa Amini, a jovem acusada de violar o código de indumentária da República Islâmica.

Bolsonaro agradece apoio de líderes europeus de extrema-direita, entre eles André Ventura

O presidente Jair Bolsonaro, que pretende ser reeleito no domingo, agradeceu este sábado as mensagens de apoio que recebeu de líderes da extrema-direita da Europa, como o primeiro-ministro da Hungria, Viktor Orban, ou o líder do Chega, André Ventura.
Comentários