Cinco operações stop do fisco em três semanas. Todas no distrito do Porto

O secretário de Estado dos Assuntos Fiscais garante que não vão ter lugar mais operações deste género. Operação stop fiscal de terça-feira culminou com o arresto de vários automóveis e de um atrelado de cavalos.

Cristina Bernardo

Desde 7 de maio que tiveram lugar cinco operações stop do fisco, todas realizadas no distrito do Porto. A última teve lugar na terça-feira em Alfena, Valongo, junto da A42, e culminou no arresto de vários automóveis e de um atrelado de cavalos no espaço de cinco horas, devido ao incumprimento fiscal de vários contribuintes.

O balanço destas operações foi feito pelo secretário de Estado dos Assuntos Fiscais António Mendonça Mendes que após ter cancelado a operação stop do fisco em Valongo.

“Foi dada a ordem a ordem de cancelamento imediato assim que tive conhecimento desta operação, assim como foi dada a operação de cancelamento de qualquer operacao desta natureza para cobrar dívidas”, explicou o governante na terça-feira à noite em entrevista na SIC Notícias, garantindo que foi aberto um inquérito para averiguar esta situação.

Daqui para a frente, só vão ter lugar operações semelhantes com a “finalidade certa, como o controlo das mercadorias. Para cobrar dívidas fiscais não preciso de estar na rua para fazer esta operação”.

O governante garantiu que quer manter a autonomia das direções-regionais da Autoridade Tributária. “Deve continuar essa autonomia regional. Não e pelo fato de haver uma situação que não e correta e que é desproporcional que possamos colocar em causa toda uma organização”

Mendonça Mendes garantiu que o “padrão do contribuinte português é de cumprimento voluntário. Os contribuintes querem cumprir. Só em última linha é que estão previstas ações mais musculadas” para quem não cumpre.

“Esta situação não pode ser repetida. Esta ação não contribui para um clima de confiança” dos portugueses em relação à máquina fiscal portuguesa, garantiu

“Não tenho duvidas que o objetivo é benigno. A intenção é boa”, afirmou António Mendonça Mendes sobre a intenção da realização desta operação.

 

Fisco arrestou vários carros e um atrelado de cavalos em operação STOP

Relacionadas

Finanças abrem inquérito a operação STOP para cobrança de dívidas fiscais

Fisco e GNR estiveram ontem a interceptar condutores com potências dividas fiscais. A operação STOP foi realizada em Alfena, Valongo, numa rotunda de acesso à auto-estrada 42. A acção acabou por ser cancelada horas depois por indicação do secretário de Estado dos Assuntos Fiscais. Foi já aberto um processo de inquérito à acção determinada pela Direção de Finanças do Porto.

Fisco arrestou vários carros e um atrelado de cavalos em operação STOP

Fisco e GNR estiveram ao início da manhã desta terça-feira, 28 de maio, a interceptar condutores com potências dividas fiscais. A operação STOP, designada por “Ação sobre rodas”, foi realizada em Alfena, Valongo, numa rotunda de acesso à auto-estrada 42. Foram arrestados vários carros e um atrelado de cavalos. A acção acabou por ser cancelada horas depois por indicação do secretário de Estado dos Assuntos Fiscais.

Fisco penhorou quatro automóveis em cinco horas de operação stop fiscal

A GNR mandava parar a viatura e um inspetor fiscal fazia uma análise inicial se o condutor tinha dívidas. Se estivesse em execução fiscal, deslocava-se a uma mesa para regularizar a dívida. Se não pagasse, ficava com a viatura penhorada. Já houve mais operações como esta, e uma fonte da Autoridade Tributária disse à SIC que vai haver mais no futuro.

Fisco cobra dívidas na autoestrada. Quem não pagar fica com o carro penhorado

A iniciativa “Ação sobre Rodas” da Autoridade Tributária controla na auto-estrada quem tem dívidas aos fisco. Quem não pagar, fica sem o carro até pagar.

Governo cancela operação stop do fisco na auto-estrada para controlar dívidas

A iniciativa “Ação sobre Rodas” da Autoridade Tributária estava a controlar na auto-estrada junta a Alfena, Valongo, condutores com dívidas ao fisco. Quem não pagasse as dívidas, ficava sem o carro até pagar.
Recomendadas

PremiumLeia aqui o Jornal Económico desta semana

Esta sexta-feira está nas bancas de todo o país a edição semanal do Jornal Económico. Leia tudo na plataforma JE Leitor. Aproveite as nossas ofertas para assinar o JE e apoie o jornalismo independente.

Dois terços dos municípios aplicam derrama de IRC sendo 127 com taxa máxima

Dois terços dos municípios portugueses vão cobrar derrama de IRC às empresas instaladas nos seus concelhos, havendo 127 que aplicarão o valor máximo de 1,5%, segundo a tabela de taxas agora divulgada pelo fisco.

Governo aprova extinção do fundo de pensões da Caixa

A extinção do fundos de pensões da CGD já está aprovada. Os beneficiários não serão, contudo, prejudicados, já que as responsabilidades passam para a CGA.
Comentários