Cinco reuniões em dois dias: bancos centrais preparam 2018

Os responsáveis de política monetária da zona euro, do Reino Unido, dos Estados Unidos, da Noruega e da Suíça têm reuniões entre quarta e quinta-feira. Com desafios diferenças para o próximo ano, cada um tomará as últimas decisões de 2017.

Ralph Orlowski/Reuters

A duas semanas do final do ano, cinco dos principais bancos centrais do mundo lançam as últimas cartas e começam a preparar a política monetária do próximo ano. Numa altura de inversão generalizada, com bancos centrais de várias regiões do mundo a adotarem posturas menos expansionistas e a começarem a virar-se para subidas nas taxas de juro, o foco está nos Estados Unidos.

  • Reserva Federal norte-americana (Fed):

A Fed foi a primeira instituição, tendo anunciado esta quarta-feira a terceira subida dos federal fund rates este ano (quinto desde 2015). O ano termina com os juros de referência num intervalo entre 1,25 e 1,5%, uma decisão justificado pelas condições do mercado de trabalho e pela inflação e que era amplamente esperada. O foco foi, por isso, o futuro: a Fed espera que os juros estejam nos 2,1%, no final do próximo ano, 2,5% em 2019 e 3,1% no final de 2020.

A instituição vai continuar a aumentar gradualmente os juros de referência e a presidente demissionária Janet Yellen garantiu que os cortes nos impostos no país apresentados por Donald Trump não vão ser um fator determinante nas decisões. Segundo a economista, a política fiscal é apenas uma das variáveis usadas para ajustar a política monetária e que as mudanças que vão ter efeito no país já foram sendo incorporadas ao longo do ano.

  • Banco Central Europeu (BCE):

“A reunião desta semana do BCE, bem como a conferência de imprensa que se segue, deve ser curta. O BCE já disse e fez tudo o que queria este ano: introduzindo gradualmente um tapering dovish“, explicam os analistas do ING. “Por isso, a reunião vai, na nossa opinião, trazer muito olhar para o passado e auto-congratulação, mas não nos devemos deixar assoberbar pela harmonia natalícia, 2018 deverá trazer novas tensões internas no BCE”.

Em janeiro, a instituição responsável pela política monetária da zona euro vai reduzir o volume do programa de compra de ativos para 30 mil milhões de euros mensais, ou seja, metade do valor atual. No entanto, o ponto principal desta quinta-feira serão as projeções económicas. O presidente Mario Draghi vai apresentar as projeções do BCE para o crescimento e inflação da zona euro até 2019, que vão influenciar o caminho da política monetária da zona euro nos próximos anos.

  • Banco de Inglaterra (BoE):

O banco central liderado por Mark Carney subiu as taxas de juro para 0,5% no mês passado. Este foi o primeiro aumento desde 2007, o que explica que o mercado não espere novas mudanças tão rapidamente. No entanto, os desafios do processo do Brexit, que parece cada vez mais próximo, e a divulgação de dados económicos esta quinta-feira pode trocar as voltas ao BoE.

A inflação acelerou, em novembro, 3,1%, tendo ficado acima do esperado e bastante longe da meta de 2% do banco central. “A reunião do BoE será possivelmente crucial para perceber se Carney pode tomar uma posição mais hawkish em relação aos riscos inflacionistas caso a libra esterlina caia ainda mais”, referiu o estrategista do Saxo Bank, John Hardy, à agência Reuters.

  • Banco Central da Noruega:

A Noruega tem mantido os juros de referência em mínimos históricos (0,5%) e deverá continuar assim, segundo o consenso entre os 27 economistas consultados pela agência Bloomberg. A expetativa é que o governador Oystein Olsen comece a dar pistas de mudanças, apesar de este ter referido em setembro que há apenas uma pequena probabilidade de subir as taxas no final de 2018 e que o mais provável será que a Noruega só veja aumentos no verão do ano seguinte.

“O Banco Central da Noruega vai assumir uma coroa fraca por mais tempo”, disse o economista senior da DNB ASA, Kyrre Aamdal, que espera que a primeira subida aconteça até junho de 2019. Erik Bruce, economista da Nordea acrescentou que a grande questão é “quanto peso é que o Banco Central da Noruega vai querer dar em manter a coroa fraca e o desemprego baixo e, consequentemente, de que forma vai elevar as perspetivas das taxas de juro”.

  • Banco Nacional da Suíça (BNS):

A maior preocupação dos responsáveis de política monetária na Suíça é a subida do franco suíço face ao euro. No entanto, desde setembro que o banco BNS passou a definir a tendência como a uma moeda do país estar “fortemente valorizada”, depois de meses a considerar que estar “significativamente sobrevalorizada”. Numa nota de research, os analistas do Commerzbank afirmaram não esperar mudanças já que o banco central está mais tranquilo numa altura em que a paridade está estacionada nos 1,16 marcos.

“Apesar da melhoria no crescimento e outlook de inflação, o BNS não vai mudar a política monetária. Vai continuar a monitorizar o EUR-CHF [a paridade euro-franco suíço] e a esperar que o EUR-CHF continue a subir. Apenas vai intervir ativamente no mercado cambial se houve um choque de valorização do franco suíço”, refere a nota do Commerzbank. Segundo os analistas, com o BCE a manter uma política expansionista, o BNS não vai querer tornar o franco suíço ainda mais apelativo.

Relacionadas

Yellen: Reforma fiscal não vai ter impacto nas subidas dos juros nos EUA

O banco central estima aumentar o ‘federal funds rate’ até 2,1% no próximo ano e 3,1% em 2020. No entanto, os cortes nos impostos não vão ter impacto no futuro porque já estão incorporados, incluindo na subida anunciada esta quarta-feira e na revisão em alta das estimativas de crescimento económico.

EUA: Fed sobe taxa de juro pela terceira vez este ano

A decisão foi justificada pelas condições do mercado de trabalho e pela inflação e já era amplamente esperada pelo mercado.

Topo da agenda: o que não deve perder na economia e nos mercados esta semana

Cinco reuniões de bancos centrais, a votação do acordo do Brexit, a reforma fiscal norte-americana e a entrada da bitcoin no mercado de futuros de Chicago vão prender a atenção dos mercados esta semana.
Recomendadas

PremiumBCE e Fed avaliam peso da subida de juros e ritmo pode abrandar nas próximas reuniões

As atas das mais recentes reuniões de política monetária na zona euro e EUA mostram uma preocupação de ambos os bancos centrais com o abrandamento da economia, dando esperanças de subidas menos expressivas dos juros nos próximos meses, embora os sinais neste sentido sejam mais fortes do outro lado do Atlântico.

Musk tinha um plano para o Twitter? Veja as escolhas da semana no “Mercados em Ação”

Conheça as escolhas da semana do programa da plataforma multimédia JE TV numa edição que contou com a análise de Nuno Sousa Pereira, head of investments da Sixty Degrees.

PSI encerra no ‘vermelho’ em contra ciclo com a Europa

Lá fora, as principais praças europeias negociaram maioritariamente em terreno positivo. O FTSE 100 valorizou 0,32%, o CAC 40 ganhou 0,08%, e o DAX apreciou 0,01%. O espanhol IBEX 35 manteve-se estável.
Comentários