Cinema. Quais os géneros preferidos dos portugueses?

Os documentários e os filmes de terror são os que menos cativam os consumidores em Portugal, revela o estudo TGI da Marktest que analisa o comportamento e os consumos em Portugal. A maior parte das pessoas escolhe filmes de ação (59,2%), seguido de comédia (58,3%), aventura (48,2%), comédia romântica (37,8%), fição científica (34,1%) e drama […]


Notice: Undefined offset: 1 in /var/www/vhosts/jornaleconomico.pt/httpdocs/wp-includes/media.php on line 1031

Notice: Undefined offset: 2 in /var/www/vhosts/jornaleconomico.pt/httpdocs/wp-includes/media.php on line 1031

Notice: Undefined offset: 1 in /var/www/vhosts/jornaleconomico.pt/httpdocs/wp-includes/media.php on line 1031

Notice: Undefined offset: 2 in /var/www/vhosts/jornaleconomico.pt/httpdocs/wp-includes/media.php on line 1031

Os documentários e os filmes de terror são os que menos cativam os consumidores em Portugal, revela o estudo TGI da Marktest que analisa o comportamento e os consumos em Portugal.

A maior parte das pessoas escolhe filmes de ação (59,2%), seguido de comédia (58,3%), aventura (48,2%), comédia romântica (37,8%), fição científica (34,1%) e drama (32,5%).

O género cinematográfico que os portugueses menos apreciam são os documentários (7,5%), os filmes de terror (14,6%) e fantasia (16,3%).

No dia Mundial do Cinema a Marktest revela que, nos últimos 12 meses, 41,2% das pessoas foram ao cinema Destas, apenas 12% das pessoas ter ido ao cinema nos últimos sete dias. A maioria dos inquiridos afirma ter assistido a um filme no grande ecrã há mais de um mês (25,3%) ou há mais de três meses (21,6%).

A maior fatia diz mesmo que vai ao cinema uma vez a cada 2/3 meses, refere o estudo. Apenas 14% vai ao cinema pelo menos, uma vez por mês e 1,6% vai todas as semanas.

Por último, os filmes digitais continuam a ter bem mais sucesso face aos filmes em 3D. Apenas 20,8% prefere os filmes a 3D, enquanto 78,8% procura os filmes ditos “normais”.

OJE

Recomendadas

A hora é agora!

Apesar da crise que afeta a Europa e os EUA, verifica-se uma procura crescente pela relojoaria de luxo, com listas de espera para modelos de diversas marcas.

PremiumPreservar o mirandês num mundo onde as línguas regionais estão em extinção

Em Terra de Miranda, há elementos da sociedade civil que não deixam esmorecer uma causa que entendem ser nacional e não apenas regional: a preservação da língua e cultura mirandesa. As suas propostas constam do Roteiro para a região, já apresentado aos decisores políticos e assente numa visão de futuro.

2022, ano de esperança: “recuperação criativa e comercial”

O que procura o consumidor num relógio? “Atualmente os clientes compram um relógio pela beleza da peça. Usam-no como uma joia e não como uma ferramenta”, diz Carlos Rosillo, CEO da Bell & Ross.