Cinemas perderam em outubro quase um milhão de euros em receitas face a 2021

Os cinemas perderam em outubro quase um milhão de euros de receita e 172 mil espectadores, comparando com o mês homólogo de 2021, revelou hoje o Instituto do Cinema e Audiovisual (ICA).

De acordo com o ICA, outubro foi o único mês deste ano em que a exibição comercial de cinema teve piores resultados, comparando mensalmente os anos de 2021 e 2022.

As quebras no mês passado rondam os 17%, para um total de 4,7 milhões de euros e 810.687 bilhetes emitidos, comparando com outubro de 2021.

Faltando ainda contabilizar os dados de novembro e dezembro, o ICA indica que este ano a exibição comercial de cinema em Portugal totaliza 7,5 milhões de espectadores e 43,2 milhões de euros de receita bruta de bilheteira.

No caso da receita de bilheteira, aquele valor contabilizado entre janeiro e outubro representa um aumento de 101% face ao mesmo período de 2021. Em audiência, o aumento é de 95% no mesmo período comparado.

Este ano, já se estrearam 321 filmes nos cinemas portugueses, o que significa um aumento de 65,5% em relação a 2021, o que pode significar ainda um acertar do passo das distribuidoras em matéria de estreias atrasadas por causa da pandemia da covid-19.

A NOS Lusomundo Audiovisuais ainda é líder de mercado, com 17,8 milhões de euros de receita de bilheteira, com dados contabilizados até outubro, mas com escassa diferença de resultados para a distribuidora Cinemundo, que soma 16,1 milhões de euros.

Em audiência, os filmes distribuídos pela NOS Lusomundo Audiovisuais somaram este ano três milhões de espectadores e os filmes distribuídos pela Cinemundo renderam 2,8 milhões de bilhetes emitidos.

Em termos de exibição cinematográfica, a rede de cinemas da NOS (com 214 salas) lidera com grande distância, com 28,9 milhões de euros arrecadados este ano e 4,9 milhões de espectadores.

Embora seja a quarta maior exibidora em quantidade de salas de cinema – são 44 -, a UCI é a segunda em receitas e audiência, com 4,1 milhões de euros e cerca de 765 mil espectadores obtidos este ano.

Recomendadas

A hora é agora!

Apesar da crise que afeta a Europa e os EUA, verifica-se uma procura crescente pela relojoaria de luxo, com listas de espera para modelos de diversas marcas.

PremiumPreservar o mirandês num mundo onde as línguas regionais estão em extinção

Em Terra de Miranda, há elementos da sociedade civil que não deixam esmorecer uma causa que entendem ser nacional e não apenas regional: a preservação da língua e cultura mirandesa. As suas propostas constam do Roteiro para a região, já apresentado aos decisores políticos e assente numa visão de futuro.

2022, ano de esperança: “recuperação criativa e comercial”

O que procura o consumidor num relógio? “Atualmente os clientes compram um relógio pela beleza da peça. Usam-no como uma joia e não como uma ferramenta”, diz Carlos Rosillo, CEO da Bell & Ross.
Comentários