Cinquenta e sete dias de invasão russa. Ponto de situação no terreno

Putin ambiciona controlar toda a região do Donbass e também do sul da Ucrânia durante a segunda fase da invasão ao país vizinho, avançou um comandante militar russo.

Passaram 57 dias desde que as forças militares russas invadiram a Ucrânia. De acordo com Volodymyr Zelensky, a Ucrânia precisa de sete mil milhões de dólares (6,46 mil milhões de euros) por mês para compensar as perdas económicas causadas pela guerra da Rússia.
Imagens de satélite divulgadas recentemente denunciam uma possível existência de mais de 200 valas comuns perto de Mariupol. Ucrânia acusa a Rússia de ali enterrar 9.000 civis para esconder o massacre.

 

  1. O secretário-geral das Nações Unidas (ONU), António Guterres, vai ser recebido em Moscovo na próxima terça-feira, dia 26 de abril, pelo presidente russo, Vladimir Putin. Em cima da mesa está também a possibilidade de Guterres se encontrar com Volodymyr Zelensky, na Ucrânia.
  2. As negociações entre a Rússia e a Ucrânia para encontrar uma solução para a guerra “estão a derrapar”, não tendo até agora produzido qualquer progresso visível, segundo Serguei Lavrov.
  3. Volodymyr Zelensky acusou a Rússia de estar a planear falsificar a realização de um referendo de independência referente às regiões de Kherson e Zaporizhzhia, localizadas no sul da Ucrânia, parcialmente ocupado por Moscovo. 
  4. Uma proibição imediata da União Europeia (UE) às importações de gás russo poderá custar à Alemanha 180 mil milhões de euros em produção perdida este ano, revela o Bundesbank no seu último boletim mensal, publicado esta sexta-feira, 22 de abril, e citado pelo “Financial Times”.
  5. O serviço postal nacional da Ucrânia foi alvo de um ataque informático esta sexta-feira após um selo postal com uma imagem de um soldado ucraniano a fazer um gesto obsceno a um navio de guerra russo ter sido colocado à venda online.
  6. A Comissão Europeia propôs uma alteração ao orçamento da UE para este que visa assegurar o apoio às pessoas que fogem da guerra da Ucrânia, causada pela invasão russa, visando principalmente ajudar os Estados-membros recetores.
  7. A ONU documentou “assassínios, incluindo por execução sumária” de 50 civis em Bucha, nos arredores de Kiev, revelou Ravina Shamdasani, porta-voz do Alto Comissariado para os Direitos Humanos, durante uma conferência de imprensa em Genebra.
  8. Os países da União Europeia congelaram 35 mil milhões de euros de ativos em resposta à invasão da Rússia à Ucrânia durante as primeiras cinco semanas e meia da guerra, com a França a encabeçar a lista. A maior parte da dotação francesa, 22,8 mil milhões de euros, envolveu fundos do banco central russo.
  9. A Rússia ambiciona controlar toda a região do Donbass e também do sul da Ucrânia durante a segunda fase da invasão ao país vizinho, segundo um comandante militar russo.
  10. Os danos provocados pela invasão russa na Ucrânia aos edifícios e infraestruturas poderão custar 60 mil milhões de dólares (55,5 mil milhões de euros), de acordo com o Banco Mundial.
  11. O ministro das Finanças da Ucrânia instou os países do G20 a entregarem parte dos seus recursos ao governo ucraniano para que Kiev possa trabalhar em plena capacidade e a continuar a garantir os serviços necessários à sua população em plena guerra.
  12. Ucrânia precisa de sete mil milhões de dólares (6,46 mil milhões de euros) por mês para compensar as perdas económicas causadas pela guerra da Rússia, segundo Volodymyr Zelensky numa mesa-redonda que decorreu no âmbito dos encontros do FMI e do Banco Mundial, em Washington.
  13. Imagens de satélite denunciam possível existência de mais de 200 valas comuns perto de Mariupol. Ucrânia acusa a Rússia de ali enterrar 9.000 civis para esconder o massacre. 
Recomendadas

Ucrânia: Macron e Scholz pedem a Putin libertação de 2.500 militares de Azovstal

O presidente francês, Emmanuel Macron, e o chanceler alemão, Olaf Scholz, pediram este sábado ao presidente russo Vladimir Putin para libertar 2.500 combatentes ucranianos que estavam na fábrica de aço Azovstal, em Mariupol, e foram feitos prisioneiros pelos russos.

Europa devia olhar para África para reduzir dependência do gás russo

“A Europa na minha opinião devia olhar para áfrica. A África tem imenso gás”, disse o presidente do Banco Africano de Desenvolvimento.

Rússia testa míssil hipersónico que Putin considera “invencível”

O míssil Zircon foi disparado da fragata Almirante Gorshkov no Mar de Barents contra um alvo nas águas árticas do Mar Branco, segundo informações avançadas pelo Ministério da Defesa russo num comunicado citado pela agência de notícias France Presse (AFP).
Comentários