CIP acusa MNE de “denegrir injustamente” imagem dos empresários portugueses

A CIP – Confederação Empresarial de Portugal acusou este domingo o ministro dos Negócios Estrangeiros de “denegrir injustamente” a imagem dos empresários, considerando que só alguém que vive fechado “em ambientes palacianos” pode falar em “fraquíssima qualidade” de gestão.

Cristina Bernardo

“Não podemos […] consentir que aquele que maiores responsabilidades tem na promoção e defesa dos interesses de Portugal seja aquele que mais destrata as empresas e empresários que arrancaram, com o povo português, o Estado da falência em que a fraquíssima administração política de sucessivos governos nos deixaram…. alguns de que o próprio Augusto Santo Silva fez parte”, lê-se numa nota assinada pelo presidente da CIP, António Saraiva.

Na sexta-feira, na sessão de encerramento do 8.º Fórum Anual de Graduados Portugueses no Estrangeiro (GraPE 2019), que decorreu em Coimbra, o ministro dos Negócios Estrangeiros, Augusto Santos Silva, considerou que um dos principais problemas das empresas portuguesas é “a fraquíssima qualidade da sua gestão”.

Durante a sua intervenção, Augusto Santos Silva disse ainda que se pode “esperar sentado” se se supõe que o atual tecido industrial português “é capaz, por si só, de perceber a vantagem em trazer inovação para o seu seio e a vantagem em contratar pós-graduados e doutorados”, defendendo uma mudança no tecido empresarial e considerando que atrair investimento estrangeiro para o país também é uma forma de o tecido nacional mudar, face à competição que vem de fora.

“Se a compaixão com que brindou a capacidade dos empresários portugueses em período natalício já não era pouca, mais advogou que grande parte da solução para a conquista da inovação passava pela necessidade de o país atrair mais investimento estrangeiro”, salienta António Saraiva na nota, recordando que, entre as atribuições que cabem ao chefe da diplomacia portuguesa, está a promoção da economia e das empresas portuguesas.

Agora, refere o presidente da CIP, com estas declarações de Augusto Santos Silva fica-se a saber qual “a imagem que um dos mais importantes elementos do Governo tem das empresas e empresários nacionais”.

“A perceção confessada diz muito da forma como cumpre no exterior a missão que o país lhe confiou. Promover o investimento externo no país e denegrir injustamente a imagem de empresários e empresas portuguesas não me parece ser exatamente aquilo que se entende como a nobre missão de defesa do interesse nacional”, salienta.

Na nota, António Saraiva assinala que o crescimento da economia verificado nos últimos anos “se deve em grande medida ao esforço e à adaptação operada pelas empresas e empresários portugueses” e recorda que “os extraordinários números alcançados no combate ao desemprego foram atingidos no setor privado e não no público”.

“É de tal modo insofismável a verdade dos factos que comprovam que o milagre económico do país se deve essencialmente às empresas e aos empresários portugueses, esse mesmo milagre de que o Governo que Augusto Santos Silva faz parte tanto gosta de se gabar, aqui e além-mar, que as afirmações proferidas pelo ministro dos Negócios Estrangeiros só podem ser entendidas por terem sido ditas por alguém que, vivendo fechado em ambientes palacianos, há muito que não sai à rua para ver como o mundo lá fora gira e avança”, acrescenta.

O presidente da CIP reconhece, contudo, que é preciso continuar a fazer mais pela incorporação de inovação, qualidade e formação dos quadros das empresas.

Relacionadas

João Almeida exige clarificação de Costa a “críticas revoltantes” à gestão das empresas portuguesas

Candidato à presidência do CDS-PP considera que palavras proferidas por Augusto Santos Silva nesta sexta-feira foram “maior desconsideração de sempre de um governante ao tecido empresarial”.

Santos Silva aponta “fraquíssima qualidade” da gestão das empresas portuguesas

Para Augusto Santos Silva, um tecido industrial “muito pouco qualificado” e “muito pouco capitalizado” terá também dificuldades em atrair jovens qualificados ou até em perceber as vantagens de apostar na inovação.
Recomendadas

Inflação leva 53% das empresas a restringir a capacidade de expansão, diz Intrum

O estudo da Intrum revela que “41% das empresas portuguesas usam a venda com pré-pagamento como proteção contra os atrasos de pagamento perante a inflação e 53% já está a restringir expansão dos negócios”.

A parceria que privilegia a economia social e as suas organizações ganha mais três anos

Daniel Traça, Dean da Nova SBE, e José Pena do Amaral, Consultor da Comissão Executiva e Membro da Comissão de Responsabilidade Social do BPI, explicam ao JE a originalidade da parceria Iniciativa para a Equidade Social, o que envolve e o que pretende alcançar. A parceria junta a Fundação “la Caixa”, o BPI e a Nova SBE.

JE Podcast: Ouça aqui as notícias mais importantes desta quarta-feira

Da economia à política, das empresas aos mercados, ouça aqui as principais notícias que marcam o dia informativo desta quarta-feira.
Comentários