CIP defende emissão de ‘eurobonds’ ou ‘coronabonds’ como “terapia” para a crise provocada pela Covid-19

Em conferência de imprensa, após a reunião extraordinária com o Governo e os restantes parceiros da concertação social, o presidente da Confederação Empresarial de Portugal (CIP), António Saraiva, disse que é necessário agir com “rapidez” e o Governo e a UE devem agir com “espírito de entreajuda” para salvar a economia e os empregos.

Cristina Bernardo

O presidente da Confederação Empresarial de Portugal (CIP), António Saraiva, defendeu esta quarta-feira a necessidade de os Estados-membros da União Europeia (UE) emitirem dívida conjunta para mitigar os impactos negativos do novo coronavírus (Covid-19). António Saraiva diz que é necessário agir com “rapidez” e o Governo e a UE devem agir com “espírito de entreajuda” para salvar a economia e os empregos.

“Apesar de alguns Estados-membros não se terem até agora mostrado disponíveis para essa metodologia é fundamental criar novos mecanismos: as eurobonds, as coronabonds, ou como lhe quiserem chamar. Não importa a adjetivação, importa o resultado e a terapia para este problema com que nos deparamos”, afirmou António Saraiva, em conferência de imprensa, após a reunião extraordinária do Governo com os parceiros da concertação social para preparar o Conselho Europeu e fazer o ponto de situação da Covid-19.

“Deve-se exigir à UE confiança, união e solidariedade, porque Portugal e nenhum dos Estados-membros sozinho vai conseguir ultrapassar esta crise, porque a dimensão e o tempo que vai exigir a todos nós é insustentável. Não chega alterar algumas regras da União. É necessário que as medidas sejam rápidas e que a UE seja solidaria com cada um dos Estados-membros”, defendeu António Saraiva.

António Saraiva disse que “Portugal está a fazer os possíveis” ao “fatiar” as medidas, mas sublinha que é preciso que essas medidas sejam executadas de forma rápida para “chegarem rapidamente às empresas para que possam garantir os empregos”. “Para garantir emprego, é necessário que haja um espírito de entreajuda entre o Governo e a União Europeia para salvar a economia e os empregos”, disse.

“A palavra de ordem é rapidez. Temos de remover a parede de burocracia que hoje está instalada quer na UE como na Administração Pública em Portugal porque a situação é de emergência”, acrescentou.

Numa carta enviada ao presidente do Conselho Europeu, Charles Michel, António Costa e oito outros líderes europeus (da França, Itália, Espanha, Bélgica, Luxemburgo, Irlanda, Grécia e Eslovénia) pedem a implementação de um instrumento europeu comum de emissão de dívida para enfrentar a crise provocada pela covid-19, “para angariar fundos no mercado na mesma base e em benefício de todos os Estados-membros”.

Segundo os oito líderes europeus, as ‘eurobonds’ permitiriam assegurar “um financiamento a longo prazo estável para as políticas necessárias para fazer face aos danos causados por esta pandemia”, proporcionando a todos os Estados-membros as mesmas condições.

Recomendadas

Marques Mendes: “Costa Silva recupera autoridade ou sai. O país precisa de um ministro da Economia forte”

“De um Governo com maioria absoluta, à partida um Governo forte, esperava-se unidade, coesão, determinação, energia, mobilização, espírito reformista. O que encontrámos? Exatamente o contrário”, disse este domingo o comentador da SIC.

Moçambique baixa receitas fiscais do gás ao fundo soberano para 40%

Moçambique deverá ser um dos maiores exportadores mundiais de gás a partir de 2024, beneficiando não só do aumento dos preços, no seguimento da invasão da Ucrânia pela Rússia, mas também pela transição energética.

PCP defende aumento do salário mínimo nacional para 850 euros em janeiro

O secretário-geral do PCP acusou o Governo de querer “retomar todos os caminhos da política de direita, fazer comprimir ainda mais os salários, facilitar a exploração, abrir espaço para os negócios privados na saúde e na educação, condicionando ou justificando as suas opções com as orientações e imposições da União Europeia e do euro”.
Comentários