CIP: “Governo não pode ficar à espera dos fundos comunitários. Tem de ser mais ousado”

António Saraiva, presidente da CIP, criticou a morosidade com que as medidas anunciadas pelo Governo demoram a “chegar ao terreno” e desafiou o Executivo a “concretizar” os apoios.

Cristina Bernardo

O presidente da Confederação Empresarial de Portugal — CIP, António Saraiva, lançou esta segunda-feira críticas à morosidade com que as medidas de apoio à economia anunciadas pelo Governo têm chegado ao terreno.

“Louvamos as medidas que o Governo tem lançado, só que o atraso das mesmas tem matado alguma realidade económica, tem deixado morrer alguma desta realidade empresarial e  ameaça seriamente a manutenção de outras [empresas]”, disse o patrão dos patrões na apresentação do 11º inquérito às empresas no âmbito do projeto “Sinais Vitais”, que é realizado pela CIP em conjunto com o FutureCast Lac do ISCTE.

António Saraiva lembrou as medidas que a CIP propôs em abril e maio deste ano — apoios às empresas a fundo perdido e medidas de capitalização das empresas — e vincou que “já deviam estar no terreno há mais tempo”.

“É este o desafio que lançamos ao Governo: que seja rápido. Não chega anunciar, há que concretizar” as medidas, reforçou o presidente da confederação patronal.

O presidente da CIP considerou que as medidas de apoio devem obedecer aos critérios da rapidez, racionalidade e proporcionalidade, que não têm sido verificados. “Rapidez é coisa que estas medidas não têm tido, porque têm sido sido tardiamente lançadas, nem sempre com a racionalidade que deveriam ter e nem com a proporcionalidade de critérios e a facilidade de acessos que deviam ter. Essa é a nossa crítica”, disse.

De resto, António Saraiva afirmou que o “Governo não pode ficar à espera dos fundos comunitários”.

“Tem de ser mais ousado e comparar-se com outros Estados que têm acudido de forma mais célere e em montantes mais significativos o apoio às suas economias. Sabemos que as contas públicas, a elevada dívida pública e o acumular do défice que esta crise provoca exigem alguma sensatez mas também é verdade que a economia tem regras que não se compadecem com esta morosidade. Se não acautelarmos a capacidade instalada, se não defendermos o mais possível os postos de trabalho, se não lançarmos medidas objetivas e de rápido acesso”, salientou o responsável.

Os resultados do inquérito foram esta tarde apresentados por meios telemáticos, tendo sido inquiridas 431 empresas, entre os dias 4 e 10 de dezembro.

O inquérito versou sobre as perspectivas futuras das empresas e concluiu que, nos próximos quatro meses, por comparação com o período homólogo, 48% das empresas esperam uma diminuição do volume de vendas.

Quanto menor a dimensão da empresa, maior será a diminuição da faturação dos próximos quatro meses face a igual período do ano passado. Mais de cinco em cada dez micro empresas antecipam faturar menos do que no ano passado até março de 2021, enquanto 48% das pequenas empresas e 42% das médias empresas antecipam um menor volume de vendas. Já entre as grandes empresas, apenas um terço antecipa uma queda da faturação.

Em relação ao emprego, a esmagadora maioria das empresas (74%) antecipa manter o mesmo número de colaboradores nos próximos quatro meses, por comparação com igual período do ano passado, numa tendência que é transversal a todas as dimensões das empresas.

De resto, quanto às perspectivas de investimento a doze meses, 39% das empresas pensam diminuir o investimento de 2021 por comparação com 2019, uma tendência que também é transversal às diferentes dimensões das empresas. Apenas 19% das empresas antecipam um aumento do investimento, enquanto 42% projetam a manutenção do volume de investimento.

 

 

 

Recomendadas

“Empresas arriscam sozinhas a entrada em mercados pela fraca dinamização e falta de apoio”

Mais de mil empresas participaram no Portugal Exportador no dia 23, orientado para a estratégia de internacionalização.

Rampa Digital dá consultoria às empresas sobre negócios no online

Associação .PT, gestora do domínio web português, quis estar perto das empresas que estão em processo de internacionalização.

Greve na Vueling com impacto reduzido tanto em partidas como chegadas de voos

A Vueling espera operar normalmente hoje 502 voos em toda a sua rede: 136 dos 162 programados em Barcelona (84%), 198 dos 215 programados no resto de Espanha (92%) e 169 dos 184 programados internacionalmente (92%).
Comentários