CIP pede estabilidade a PSD e CDS-PP

A CIP – Confederação Empresarial de Portugal pediu “estabilidade legislativa, estabilidade fiscal e estabilidade laboral ao novo Governo”, durante um encontro com dirigentes do PSD e do CDS-PP, e desdramatizou a instabilidade associada a um executivo minoritário. Esta posição foi transmitida aos jornalistas pelo presidente da CIP, na sede desta organização empresarial, em Lisboa, onde […]

A CIP – Confederação Empresarial de Portugal pediu “estabilidade legislativa, estabilidade fiscal e estabilidade laboral ao novo Governo”, durante um encontro com dirigentes do PSD e do CDS-PP, e desdramatizou a instabilidade associada a um executivo minoritário.

Esta posição foi transmitida aos jornalistas pelo presidente da CIP, na sede desta organização empresarial, em Lisboa, onde foi recebida uma delegação de dirigentes sociais-democratas e centristas, chefiada pelo presidente do CDS-PP, Paulo Portas.

No final desse encontro, que durou cerca de duas horas, António Saraiva disse ter ouvido “as razões” do PSD e do CDS-PP “para a constituição do novo Governo”, e acrescentou: “Compreendemo-las”.

Interrogado sobre a instabilidade que poderá estar associada a um Governo PSD/CDS-PP sem outros apoios, respondeu: “Não creio que um Governo minoritário tenha algum problema desta ou daquela natureza, porque também um Governo que não seja da atual coligação e que resulte, eventualmente, de um Governo minoritário PS com apoio de incidência parlamentar de outros partidos terá igual fragilidade”.

O presidente da CIP voltou a defender que deve haver no quadro parlamentar entendimentos entre os partidos que receberam “70% dos votos” e que têm em comum “um projeto de estar na Europa, de respeitar os tratados”, referindo-se a PSD, CDS-PP e PS.

“Gostaríamos que, num quadro de estabilidade e o mais rápido possível, esta clarificação existisse, o novo Governo tomasse posse e, já em funções, nos ajudasse”, afirmou.

Quanto ao encontro com PSD e CDS-PP, António Saraiva referiu que a CIP lhes transmitiu o que pensa “da atuação do novo Governo”.

“Exigimos estabilidade legislativa, estabilidade fiscal, estabilidade laboral. São três vetores sobre os quais trocámos impressões, transmitimos a nossa opinião e que exigimos ao novo Governo”, relatou.

Em seguida, recorreu a uma expressão de Paulo Portas ao longo da recente campanha eleitoral para as legislativas: “Aquilo que queremos é estabilidade, porque a estabilidade gera confiança, a confiança traz investimento, o investimento promove crescimento económico”.

Segundo o presidente da CIP, neste encontro foi analisada “a situação do país”, mas não foram abordadas “questões partidárias”.

Questionado se a estabilidade de políticas que a CIP defende não pode ser garantida por outras forças políticas, António Saraiva respondeu: “Desde que um Governo nos garanta esta estabilidade e rapidamente tenhamos um Governo com garantia de sustentabilidade destas medidas, acreditamos que sim”.

OJE

Recomendadas

Macau renova licenças às seis atuais operadoras de casinos no território

MGM Grand Paradise, Galaxy Casino, Venetian Macau, Melco Resorts (Macau), Wynn Resorts (Macau) e SJM Resorts viram as propostas aprovadas.

PremiumOCDE deixa quatro recados a Portugal, do PRR ao orçamento

A OCDE está menos otimista do que estava no verão quanto à evolução da economia portuguesa no próximo ano, tendo revisto em baixa a previsão de crescimento do PIB. Aproveitou também para alertar para a importância do PRR e da consolidação orçamental.

OE2022: Segurança Social regista excedente de 3.358 milhões de euros até outubro

A receita da Segurança Social aumentou em 9,1% e atingiu os 28.387,7 milhões de euros até outubro, enquanto a despesa caiu 0,5% para 25.030,1 milhões de euros, de acordo com a síntese divulgada hoje pela Direção-Geral do Orçamento (DGO).