CIP pede medidas para minorar custos de energia e de apoio ao emprego

O presidente da CIP – Confederação Empresarial de Portugal defendeu hoje que as empresas precisam de medidas para minorar os custos de energia, manter o emprego e de caráter fiscal, alertando para o “enorme esforço de tesouraria” que têm feito.

Cristina Bernardo/JE

Em declarações à Lusa, em antecipação das medidas que o Governo deverá anunciar em breve para as empresas, António Saraiva apelou desde logo a iniciativas “que minorem este enorme esforço de tesouraria que as empresas estão a suportar com os consumos energéticos”.

O presidente da CIP reconheceu, no entanto, que isto deverá acontecer “no quadro do que a União [Europeia] venha a definir”, indicando que tal pode acontecer “eventualmente com fundos próprios como aconteceu com a covid-19, com a UE lançar a um fundo para que os países com menos possibilidades, como o nosso, atendendo à estrutura das nossas contas públicas, possam recorrer a esses fundos e disponibilizar financiamento as empresas para este alívio da fatura energética”.

Além disso, apelou, é preciso iniciativas “que evitem a dispensa de mão-de-obra porque as empresas não suportarão muito mais tempo esta redução que estão a ter de procura e estes enormes custos de produção”. Para António Saraiva em cima da mesa poderia estar “um ‘lay-off’ ajustado à necessidade das empresas e ou colocar as pessoas em formação profissional para que se evite a redução dos efetivos”.

Por fim, o presidente da CIP reclamou uma redução da carga fiscal, apontando “medidas de caráter fiscal que no quadro do Orçamento do Estado e tendo o realismo da sustentabilidade das contas públicas, mas também este enorme excedente do Estado português”, salientou, referindo que enquanto há países que já vão “no terceiro pacote de ajudas”, como a Alemanha, “Portugal ainda está a desenhar o primeiro”.

Para António Saraiva, o Governo poderia atuar em questões como tributações autónomas, IRC, ou diferimento de prejuízos.

O pacote de apoios às famílias que o Conselho de Ministros extraordinário aprovou na segunda-feira para mitigar o impacto do aumento do custo de vida no rendimento tem o valor global de 2.400 milhões de euros.

O custo total do plano este ano foi anunciado pelo primeiro-ministro, António Costa, em conferência de imprensa, após o Conselho de Ministros extraordinário, em Lisboa.

O primeiro-ministro indicou que os 2.400 milhões de euros adicionais somam-se aos 1.600 milhões de euros em apoios mobilizados até setembro.

“Ao todo, o plano do Governo para fazer face aos impactos da guerra e da subida dos preços já atinge 4.000 milhões de euros”, disse António Costa, dando nota de que os apoios específicos para as empresas serão avaliados e decididos “com muita brevidade”, após a conclusão do Conselho de Energia da União Europeia, que terá lugar ainda esta semana.

Recomendadas

Alemanha reitera apoio a gasoduto nos Pirinéus e diz que França não excluiu projeto

O chanceler alemão destacou que este projeto tem uma perspetiva de longo prazo e que, para além do transporte de gás no imediato, servirá para fornecer outras energias, como hidrogénio, no futuro.

“Nova atitude da TAP perante os gastos terá de abranger também os pilotos”, desafia SPAC

Sindicato dos Pilotos diz que “enquanto uns têm cortes brutais no seus vencimentos” e ainda há “processos de despedimento em curso”, renova-se o parque automóvel dos cargos de direção “com 79 viaturas”.

TAP diz que renovação da frota automóvel permite poupar anualmente 630 mil euros

A TAP diz que a opção de comprar 50 BMWs representa uma poupança superior a 20% do valor mensal da renda e tributação, relativamente a novos contratos de renting e está em linha com o plano de reestruturação.
Comentários