Citydrive

Os fundadores da Citydrive queriam uma solução prática, eficiente, sempre disponível e que reduzisse o enorme número de carros em Lisboa sem retirar comodidade. Foi então que surgiu a ideia de criar a Citydrive. As vantagens são obvias e várias. Vários estudos indicam que cada carro em carsharing retira 10 carros das cidades. Idealmente acabaremos […]

Os fundadores da Citydrive queriam uma solução prática, eficiente, sempre disponível e que reduzisse o enorme número de carros em Lisboa sem retirar comodidade. Foi então que surgiu a ideia de criar a Citydrive. As vantagens são obvias e várias. Vários estudos indicam que cada carro em carsharing retira 10 carros das cidades. Idealmente acabaremos com os milhares de carros que todos os dias estão parados grande parte do tempo.

O resultado é um serviço que elimina a necessidade de ter carro próprio em Lisboa. Em poucos segundos e através de uma aplicação no smartphone é possível encontrar um carro por perto e reservá-lo. Quando chegarmos ao pé do carro abrimos as portas com mais um clique na aplicação. A chave está sempre dentro do carro, o que permite a condução imediata. Quando chegar ao seu destino, é só estacionar sem qualquer custo, e já está! Paga apenas pelo tempo que utiliza, pois a tarifa é cobrada ao minuto e inclui combustível, parquímetro da EMEL e seguro.

Inicialmente pensado para as famílias, este serviço acaba também por ser bastante atrativo para empresas, pois estas podem reduzir a fatura de mobilidade dos seus colaboradores até 70%. A Citydrive disponibiliza a opção de criar contas empresariais onde é possível definir, por colaborador, um plafond e horário de utilização, entre muitas outras coisas.

Recomendadas

Empresa espanhola de armamento recebeu carta semelhante à que explodiu na embaixada da Ucrânia

Uma empresa espanhola de armamento recebeu um envelope similar ao que foi enviado para a embaixada da Ucrânia em Madrid e que explodiu.

Atualização do IAS aumenta valor máximo do subsídio de desemprego em 93 euros

O valor máximo do subsídio de desemprego vai subir mais do que o previsto avançando 93 euros, para 1.201,08 euros, refletindo o aumento de 8,4% do Indexante de Apoios Sociais (IAS) em 2023.

Afinal, pensões mais baixas vão subir 4,83% em janeiro

Pensões até 961 euros vão ter aumento de 4,83%, pensões entre 961 euros e 2.883 euros vão subir 4,49% e pensões acima de 2.883 euros vão crescer 3,89%. Correção das atualização vai custar 110 milhões de euros, aos quais se somam os 1.155 milhões de euros já previstos.