Cleanwatts vai criar uma Comunidade de Energia Renovável em Braga

“Vamos instalar uma Central Fotovoltaica de 1,2 MWp (megawatts-pico), com mais de 2.100 painéis solares, nos telhados da Arquidiocese de Braga, que será integrada numa Comunidade de Energia Renovável”, explica Basílio Simões, fundador e presidente da Cleanwatts.

Santuário do Bom Jesus (Braga)

A Cleanwatts vai criar uma Comunidade de Energia Renovável com a Arquidiocese de Braga. O Projeto pretende incluir mais entidades, como as IPSS, os colégios e outras instituições.

Em comunicado, a empresa diz que “ganhou o projeto para a criação da Comunidade de Energia da Arquidiocese de Braga, que tem como objetivo a sustentabilidade, a redução de custos relacionados com a energia desta instituição e, também, o combate à pobreza energética entre as famílias carenciadas da região”.

Para além da redução de custos, a Arquidiocese de Braga torna-se, através deste projeto, carbon-positive, passando a gerar mais 27% de energia do que consome, e independentemente energeticamente, pois 45% da energia consumida passa a ser proveniente da central solar (autoconsumo).

Segundo a Cleanwatts, esta Comunidade de Energia tem as suas centrais fotovoltaicas distribuídas por edifícios da Arquidiocese e vem no seguimento de vários projetos que a empresa tem em desenvolvimento, nacional e internacionalmente, com instituições religiosas e de solidariedade social.

“No futuro, o projeto pretende incluir na Comunidade de Energia outras entidades, como as IPSS, os colégios e outras instituições ligadas à Arquidiocese de Braga”, lê-se na nota.

“Vamos instalar uma Central Fotovoltaica de 1,2 MWp (megawatts-pico), com mais de 2.100 painéis solares, nos telhados da Arquidiocese de Braga, que será integrada numa Comunidade de Energia Renovável”, explica Basílio Simões, fundador e presidente da Cleanwatts, acrescentando que “além de alimentar a Arquidiocese com energia verde, vamos produzir energia suficiente para possibilitar que a Comunidade forneça ainda para apoiar famílias em situação de pobreza energética”.

Segundo o Cónego Roberto Rosmaninho Mariz, “a Comunidade de Energia Renovável da Arquidiocese de Braga irá abranger vários edifícios da Arquidiocese (Paço Arquiepiscopal, IDAC, Seminário de Nossa Senhora da Conceição, Seminário Conciliar, edifício do antigo Seminário na Rua de Santa Margarida e Lavandaria da Cooperativa João Paulo II) e permitirá uma redução dos custos relacionados com o consumo de energia”.

O Cónego refere ainda a vertente sócio-caritativa do projeto recordando que “além de alimentar a Arquidiocese com energia verde, esta CER possibilitará produzir energia suficiente para que a Comunidade forneça ainda energia a 650 famílias carenciadas”.

A assinatura pública do contrato decorreu hoje, 4 de outubro, no Paço Arquiepiscopal de Braga, o que o Cónego diz ser uma data simbólica, “dado que se trata de uma medida também com benefícios ao nível ecológico, com o objetivo de contribuir para o incentivo da sustentabilidade ambiental, foi escolhido, simbolicamente, o dia 4 de outubro, dia de S. Francisco de Assis e dia da Natureza, para a assinatura formal destes contratos”.

“A vertente social e de combate à pobreza energética é uma das principais facetas das Comunidades de Energia e quando o cliente é uma instituição como uma Arquidiocese, que tem como missão o apoio a famílias carenciadas, esta vertente torna-se ainda mais relevante”, acrescenta o responsável da Cleanwatts, que avança que “através deste projeto, a Arquidiocese poderá apoiar cerca de 650 famílias, que beneficiarão de uma tarifa social comunitária em média 30% inferior às atuais tarifas de mercado”.

Apesar de o projeto estar ainda a nascer, já há planos para o futuro próximo, revela o comunicado. “A Comunidade de Energia da Arquidiocese de Braga irá arrancar com a instalação dos painéis nos telhados da Arquidiocese (produtor-âncora) após o que a Cleanwatts angariará consumidores nesta região, de preferência com afinidades sociais e perfis de consumo complementares ao do produtor-âncora”, explica Basílio Simões.

“A Comunidade poderá, posteriormente, crescer com a adesão de novos membros produtores, que tenham telhados ou terrenos com capacidade para expandir a potência fotovoltaica instalada. O impacto da Comunidade poderá ainda crescer com a introdução de outras fontes de geração renovável, como eólica, biomassa ou hidroelétrica, por exemplo”, conclui o presidente da empresa.

Recomendadas

JE Podcast: Ouça aqui as notícias mais importantes desta segunda-feira

Da economia à política, das empresas aos mercados, ouça aqui as principais notícias que marcam o dia informativo desta segunda-feira.

“Taxa Amazon”. Barcelona prepara-se para taxar empresas de entregas

A cidade espanhola deverá aplicar uma taxa às empresas que circulem no espaço público para entregar encomendas online. Medida abrange empresas com mais de um milhão de euros em receitas anuais e deverá encaixar cerca de 3 milhões nos cofres da autarquia.

General Electric anuncia ‘spin-off’ da GE HealthCare

A General Electric Company (GE) acaba de anunciar que o seu Conselho de Administração deu luz verde ao spin-off da sua divisão de cuidados de saúde, GE HealthCare, que vai ser convertida numa empresa autónoma e renomeada GE HealthCare Technologies Inc., começando a operar no Nasdaq a 4 de janeiro de 2023.
Comentários