Clima: Ativistas detidas terça-feira aceitam suspensão provisória do processo

As cinco ativistas pelo clima detidas na terça-feira no Ministério da Economia aceitaram hoje a suspensão provisória do processo, mediante o compromisso de prestarem trabalho comunitário, anunciou a porta-voz do grupo, Alice Gato.

A saída do tribunal de pequena instancia criminal, no Campus de Justiça, em Lisboa, Alice Gato explicou que ela e as restantes detidas, Teresa Núncio, Leonor Chico, Raquel Alcobia e Francisca Duarte, aceitaram a suspensão provisória do processo e comprometeram-se a prestar trabalho comunitário.

A jovem observou no entanto que estas ativistas já prestam trabalho a favor da comunidade ao defenderem a causa climática.

Questionada por que motivo aceitaram a suspensão do processo, ao contrário dos ativistas detidos na semana passada na Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa, a porta-voz defendeu que, depois de terem anunciado a suspensão das ocupações de escolas que estavam em curso desde dia 07, os estudantes querem agora concentrar energias nas ações que estão a ser planeadas para a primavera.

Acrescentou que essa prioridade se sobrepõe a levar este processo a julgamento, tanto mais que já está marcado para dia 29 deste mês o julgamento dos quatro estudantes e ativistas pelo clima detidos na sexta-feira na Faculdade de Letras.

Recomendadas

Associação Zero: Legislação de proteção dos solos está “na gaveta” há sete anos

De acordo com a nota de imprensa, um estudo da Agência Portuguesa do Ambiente, de 2017, concluiu que o país “ganharia cerca de 25 milhões de euros em seis anos, em resultado da publicação do ProSolos, aos quais se acrescentariam ganhos ambientais e na saúde pública”.

Guia para gestão de Áreas Marinhas Protegidas quer ser “ferramenta útil”, afirma investigador

O “Guia de Boas Práticas para a Gestão e Monitorização de Áreas Marinhas Protegidas”, apresentado hoje, pretende ser “uma ferramenta útil” e simples para as pessoas que trabalham na área, disse um dos autores do documento à agência Lusa.

PremiumCOP27: economia fica sempre à frente dos interesses do planeta

A guerra, a inflação, os preços das energias tornaram a opção pela produção sustentável um luxo a que as economias não se podem dar. A guerra das Nações Unidas terá de ficar para mais tarde.
Comentários