Clima. Ativistas detidos na Faculdade de Letras vão a julgamento dia 29 de novembro

Os quatro estudantes e ativistas pelo clima detidos na sexta-feira na Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa vão ser julgados dia 29 de novembro após terem recusado a suspensão provisória do processo proposta pelo Ministério Público (MP).

Manifestação pela ação climática em Itália. Imagem: Twitter

À saída do tribunal de pequena instância criminal, em Lisboa, Ana Carvalho, uma das ativistas ambientais detida na sexta-feira e arguida no processo, revelou que os estudantes tinham sido ouvidos apenas pelo MP, que propôs a suspensão provisória do processo, mas mediante a condição de estes não participarem em ilícitos de invasão.

Ana Carvalho disse que os quatro arguidos recusaram esta proposta do MP, pelo que o processo avança para julgamento que se vai realizar no dia 29 de novembro, pelas 14:30, no Campus de Justiça.

Também à saída do tribunal o advogado de defesa André Ferreira precisou que os jovens vão responder em julgamento por dois crimes, nomeadamente “não dispersão em reunião pública e introdução em local vedado ao público”.

O advogado referiu que os quatro arguidos aguardam julgamento sujeitos a termo de identidade e residência (TIR).

Além de Ana Carvalho, são também arguidos neste processo Mateus Lopes, ‘Nemo’ e ‘Artur’, nomes pelos quais são conhecidos.

Junto ao tribunal, à entrada e saída dos arguidos estiveram cerca de 30 jovens a manifestar a sua solidariedade e a gritar palavras de ordem relacionadas com as questões ambientais, que motivam os protestos que abrangem faculdades e escolas secundárias em Lisboa.

Recomendadas

Guia para gestão de Áreas Marinhas Protegidas quer ser “ferramenta útil”, afirma investigador

O “Guia de Boas Práticas para a Gestão e Monitorização de Áreas Marinhas Protegidas”, apresentado hoje, pretende ser “uma ferramenta útil” e simples para as pessoas que trabalham na área, disse um dos autores do documento à agência Lusa.

PremiumCOP27: economia fica sempre à frente dos interesses do planeta

A guerra, a inflação, os preços das energias tornaram a opção pela produção sustentável um luxo a que as economias não se podem dar. A guerra das Nações Unidas terá de ficar para mais tarde.

Pelo menos 238 mil pessoas morreram devido à poluição do ar em 2020, revela relatório

A poluição do ar provocou a morte de, pelo menos, 238 mil pessoas na União Europeia (UE), em 2020, mais do que no ano anterior, segundo um relatório da Agência Europeia do Ambiente (EEA, na sigla em inglês), hoje divulgado.
Comentários