Closer recruta 40 em vários países

A tecnológica portuguesa Closer tem 40 vagas em aberto para vários países, para fazer face ao crescimento nacional e internacional. 


Notice: Undefined offset: 1 in /var/www/vhosts/jornaleconomico.pt/httpdocs/wp-includes/media.php on line 1031

Notice: Undefined offset: 2 in /var/www/vhosts/jornaleconomico.pt/httpdocs/wp-includes/media.php on line 1031

Notice: Undefined offset: 1 in /var/www/vhosts/jornaleconomico.pt/httpdocs/wp-includes/media.php on line 1031

Notice: Undefined offset: 2 in /var/www/vhosts/jornaleconomico.pt/httpdocs/wp-includes/media.php on line 1031

Para fazer face ao crescimento nacional e internacional, a Closer vai abrir 40 vagas para vários países. Para já está em curso um programa de recrutamento com 12 vagas. Outras 28 surgirão nos próximos seis meses em Portugal e em projetos na Alemanha, Espanha, Inglaterra, Dinamarca, Suécia e Brasil.

A Closer procura Consultores Microsoft e Open Source (.Net e Java), Consultores de Business Intelligence/Analytics (Microsoft BI, SAS), Consultores de Mobilidade (iOS, Android, WP) e Data Scientists.

A informação está disponível na página de carreiras da empresa e as candidaturas podem ser enviadas por email.

Segundo comunicado de imprensa, “para trabalhar na Closer é necessário ser apaixonado por tecnologia, compartilhar os valores da empresa e identificar-se com a sua missão, bem como ser licenciado numa faculdade de referência (Engenharia Informática, Matemática, Física ou Gestão de Informação), ser proativo, ter boa capacidade de comunicação e organização e ser fluente em inglês”.

Woitek Szymankiewicz, partner da Closer, defende “a estabilidade e o crescimento sustentado de todos os seus colaboradores” e explica que a tecnológica “providencia um plano de carreira estruturado, transparente e justo, partilha o sucesso da empresa e proporciona um ambiente criativo, dinâmico e informal onde as pessoas se sentem valorizadas”.

Destaca-se também a constante aposta na inovação, o que permite que as equipas lidem diariamente com projetos desafiantes e as mais recentes tecnologias. O processo de recrutamento justifica-se “com o crescimento da Closer tanto em Portugal como além-fronteiras, e com a aposta na inovação, que leva à procura de novos colaboradores que queiram fazer parte da nossa missão – Desafiar a Complexidade”, refere Woitek Szymankiewicz.

Ano positivo para a Closer

A Closer apresenta em 2015 um crescimento sustentado em Portugal e tem apostado na expansão internacional. “continuamos com a nossa política de inovação e a aumentar a quota de mercado, nomeadamente nas áreas de Advanced Analytics, Business Intelligence e desenvolvimento de Software”, explica Woitek Szymankiewicz.

O responsável destaca ainda a compra de 100% do capital da Red Zebra Analytics (uma empresa inglesa premiada pela sua plataforma de fidelização de clientes com base em cartões bancários).

A Closer investiu ainda num escritório com o dobro do espaço nas Amoreiras, em Lisboa.

OJE

Recomendadas

TAP fez 42 voos de serviços mínimos esta manhã

A companhia diz que, até às 11h30, operou os 78 voos dos 148 voos previstos para hoje e, dos 64 voos de serviços mínimos agendados, operou os 42 estabelecidos, no contexto da greve convocada pelo Sindicato Nacional do Pessoal de Voo da Aviação Civil.

Greve na TAP. “Não vemos qualquer perturbação hoje a afectar os nossos clientes”, diz CEO

A TAP enfrenta hoje o primeiro de dois dias de greve convocada pelo sindicato dos tripulantes de cabine SNPVAC. Em entrevista ao Jornal Económico (que sairá na íntegra na edição de sexta-feira), a CEO da companhia, a francesa Christine Ourmiere-Widemer, diz que os clientes não estão a ser afetados pela paralisação.

TAP: Sindicato fala em adesão total à greve de tripulantes até às 08:30

“O balanço é prematuro, uma operação da TAP inicia-se por volta das 05:30 da manhã, o que sabemos até à data é que nenhum voo saiu sem ser serviços mínimos ou Portugália, portanto até agora a adesão é total”, disse à Lusa o presidente do SNPVAC, Ricardo Penarroias, no aeroporto de Lisboa, cuja operação, às primeiras horas da manhã, funcionava dentro da normalidade.