Clubes de futebol vão pagar menos nove milhões em seguros por época desportiva

A alteração da legislação evita uma “distorção” que existia no futebol português e vai gerar “um incremento da competitividade do setor”, de acordo com a Liga Portugal.

A alteração ao quadro legal do regime específico de reparação de danos de acidentes de trabalho dos praticantes desportivos vai permitir às Sociedades Desportivas uma poupança de cerca de 40% dos valores pagos por temporada desportiva, o que significa uma quantia superior a nove milhões de euros.

A Liga Portugal reagiu positivamente a esta decisão. No seu site oficial, a entidade que rege os competições profissionais do futebol português sublinhou que esta decisão representa “um incremento da competitividade do setor”. A Liga recorda ainda que o atual contexto legal faz “elevar a taxa de cobertura deste risco para cerca de 20% do valor do vencimento dos atletas, cerca de quatro vezes mais do que a média dos encargos dos seguros com acidentes de trabalho nos restantes setores de atividade.”

De acordo com a mesma entidade, a alteração da legislação vai acabar com aquilo que é uma “distorção”, que colocam o futebol português em desvantagem face às provas e clubes estrangeiros.

O presidente da Liga Portugal, Pedro Proença, fala numa “grande vitória” para os clubes, para a Liga e para os jogadores, com uma medida que “terá impacto, financeiro e desportivo, imediato nos clubes”

Recomendadas

Rebranding: compensa tocar no que há de mais sagrado nos clubes? Veja o “Jogo Económico”

Daniel Sá, especialista em marketing desportivo e diretor-executivo do IPAM, é o convidado desta edição em que vamos ainda debater a chamada ao Parlamento do presidente da Federação Portuguesa de Futebol e a dura sanção aplicada a uma “velha senhora” do futebol europeu.

JE Podcast: Ouça aqui as notícias mais importantes desta sexta-feira, 27 de janeiro

Da economia à política, das empresas aos mercados, ouça aqui as principais notícias que marcaram o dia informativo desta sexta-feira.

Dois adeptos afastados da final da Taça da Liga por causa de artefactos pirotécnicos

A Autoridade para a Prevenção e Combate à Violência no Desporto (APCVD) divulgou hoje que aplicou a “medida cautelar de interdição de acesso a recintos desportivos” a esses dois adeptos, ficando assim ambos impedidos de marcar presença no estádio Dr. Magalhães Pessoa.
Comentários