CMVM aplicou coimas de 150 mil euros no segundo trimestre

No mesmo período foram instaurados novos 12 processos de contraordenação, oito por violação dos deveres de atuação dos auditores, dois relativos à violação de deveres de informação ao mercado, um por violação dos deveres de intermediação financeira e um referente à atividade dos organismos de investimento coletivo (fundos de investimento), refere o supervisor dos mercados.

No segundo trimestre de 2022 a CMVM proferiu decisão em quatro processos de contraordenação.

Nas decisões proferidas entre abril e junho foram aplicadas três coimas no montante total de 150 mil euros e uma admoestação.

Dentro dos quatro processos de contraordenação, dois foram por violação dos deveres de intermediação financeira e dois por violação dos deveres de informação ao mercado, revela a Comissão do Mercado de Valores Mobiliários.

No mesmo período foram instaurados novos 12 processos de contraordenação, oito por violação dos deveres de atuação dos auditores, dois relativos à violação de deveres de informação ao mercado, um por violação dos deveres de intermediação financeira e um referente à atividade dos organismos de investimento coletivo (fundos de investimento), refere o supervisor dos mercados.

Segundo o comunicado, em junho estavam em curso 76 processos de contraordenação na CMVM. Destes, 30 são referentes à atuação dos auditores, 20 respeitam a violações de deveres de intermediação financeira, nove são relativos à atividade dos organismos de investimento coletivo, sete respeitam a violação de deveres de negociação em mercado, sete são relativos a violações de deveres de informação ao mercado e três são referentes a deveres de combate ao branqueamento de capitais e financiamento do terrorismo.

No segundo trimestre foi decidido um processo em tribunal relativo à violação de deveres de intermediação financeira e no final de julho, encontravam-se cinco processos pendentes de decisão nos tribunais.

Recomendadas

Wall Street fecha semana em alta com semicondutores a darem ímpeto

O sector tecnológico esteve em destaque, beneficiando da aposta dos investidores na recuperação dos fabricantes de semicondutores Nvidia e Micron e dos dados da inflação de julho, que afastam subidas mais fortes das taxas de juro em setembro.

Bolsa de Lisboa encerra sessão a perder mais de 1%

O BCP e a Galp estão a liderar as perdas na bolsa de Lisboa. Por outro lado a Greenvolt é a cotada com mais ganhos.

Wall Street abre no ‘verde’ em linha com congéneres europeias

O Nadaq sobe agora 0,54% para 12.848,50 pontos, o S&P 500 avança 0,51% para 12.848,50 pontos e o Dow Jones valoriza 0,47% para 33.492,84 pontos.
Comentários