CMVM aprova saída de bolsa do BPI

O CaixaBank fica agora obrigado a comprar as ações do BPI que ainda estão no mercado a 1,47 euros por ação. A ordem permanente de compra fica no mercado durante três meses.

A Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM) anunciou, em comunicado que, na sequência do requerimento apresentado a 12 de julho, pelo Banco BPI foi “deliberado pelo seu conselho de administração esta sexta-feira, 14 de dezembro, deferir com efeitos a esta data, o pedido de perda da qualidade de sociedade aberta apresentado”.

O CaixaBank fica agora obrigado a comprar as ações do BPI que ainda estão no mercado a 1,47 euros por ação. A ordem permanente de compra fica no mercado durante três meses. O pedido foi apresentado à CMVM na sequência da deliberação da perda da qualidade de sociedade aberta, em assembleia geral de acionistas do Banco BPI, a 29 de junho de 2018.

“O CaixaBank, obrigou-se a adquirir as ações detidas pelos acionistas que não tenham estado presentes ou representados ou votado favoravelmente a referida deliberação, tendo para o efeito caucionado o respetivo pagamento junto do Banco BPI”, diz a nota do supervisor dos mercados.

“O valor global da contrapartida fica disponível pelo prazo de 3 (três) meses a contar da presente publicação, pelo preço unitário de 1,47 euros (um euro e quarenta e sete cêntimos) por ação do Banco BPI, valor que resulta da determinação da contrapartida por auditor independente”, lê-se no documento.

Notícia atualizada

Relacionadas

Acionistas do BPI aprovaram saída de bolsa do banco

Reunidos em assembleia geral, esta sexta-feira, os acionistas do BPI aprovaram a saída do banco da bolsa de Lisboa.

BPI vai sair de bolsa a 1,47 euros, dois cêntimos acima da proposta do CaixaBank

CaixaBank vai pagar 1,47 euros por cada ação aos acionistas do BPI. Nos próximos três meses haverá uma ordem permanente de compra, permitindo aos acionistas do BPI venderem as suas ações ao grupo bancário espanhol.

CMVM pede a auditor independente para definir preço da saída de bolsa do BPI

O regulador do mercado explica que a decisão se deve ao facto “de a contrapartida oferecida ter sido fixada mediante acordo entre o adquirente e o alienante, através de negociação particular, razão pela qual a mesma se presume não equitativa”.
Recomendadas

Fitch melhora perspetiva do rating do BCP

A mudança de perspectiva para o rating do BCP reflete, em parte, uma maior clareza em torno do provisionamento necessário para cobrir os riscos legais do Bank Millennium com empréstimos hipotecários denominados em francos suíços, na Polónia.

Sindicatos dos Quadros e SIB pedem apoio extraordinário para bancários no ativo

Ainda sobre as medidas do Governo de apoio para fazer face à inflação, o Sindicato Nacional dos Quadros e Técnicos Bancários (SNQTB) e o SIB (Sindicato Independente da Banca) pedem parecer sobre constitucionalidade do apoio aos pensionistas e exigem apoio extraordinário para bancários no ativo.

Rácio de crédito malparado na banca melhora para 3,4% no segundo trimestre

A queda “reflete a diminuição dos NPL (-4,0%) e o aumento dos empréstimos produtivos (+1,8%)”, explica o supervisor da banca. A rentabilidade também melhorou.
Comentários