CMVM diz que não podia impedir aumento de capital do BES

O presidente da Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM), Carlos Tavares, disse que o supervisor não podia impedir o aumento de capital que foi conduzido no BES pouco antes da queda do banco. “Nenhuma entidade pública pode impedir” uma operação do género, embora a CMVM tenha exigido que no prospeto do aumento de capital […]

O presidente da Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM), Carlos Tavares, disse que o supervisor não podia impedir o aumento de capital que foi conduzido no BES pouco antes da queda do banco.

“Nenhuma entidade pública pode impedir” uma operação do género, embora a CMVM tenha exigido que no prospeto do aumento de capital fossem conhecidos os riscos do mesmo, declarou o responsável no parlamento.

Sobre esse prospeto, que teve 30 versões até se chegar ao texto final, Carlos Tavares sublinha que este continha um ‘draft’ (versão preliminar) que “o mínimo que se pode dizer é que não era verdadeiro”, já que não abordava as irregularidades na Espirito Santo International (ESI).

Falando aos deputados na comissão de inquérito à gestão do BES e do Grupo Espírito Santo (GES), o presidente da CMVM considerou que, se o Banco de Portugal tivesse “toda a informação” que tem hoje, teria, “certamente”, agido de forma diferente nesta matéria.

Em junho de 2014, dois meses antes da separação da entidade, o BES procedeu a um aumento de capital de cerca de mil milhões de euros.

OJE/Lusa

Recomendadas

Ministra sinaliza que trabalhadores que recebem salário mínimo não terão perda de poder de compra em 2023

Vem aí uma “negociação intensa”, antecipou a ministra do Trabalho, à saída da reunião em que apresentou aos parceiros sociais as propostas do Governo para o acordo de rendimentos. Entre elas, está a vontade que o salário mínimo suba mais do que a inflação.

Fenadegas pede apoio para adegas cooperativas e produtores de vinho

A Fenadegas diz que “contrariamente às expetativas criadas, nas medidas anunciadas pelo governo para colmatar os efeitos negativos desta crise, não foi previsto nenhum apoio específico para os produtores de vinho e suas unidades de vinificação”.

Goldman Sachs prevê queda de 1% do PIB da zona euro até ao segundo trimestre

“Os sectores químico e automóvel da Alemanha confirmam que o ritmo de paralisações por causa do aumento dos custos de energia provavelmente acelerará”, reforçam os economistas do Goldman Sachs.