CMVM recebeu 206 reclamações no primeiro semestre, mais 7% que no ano anterior

A qualidade da informação prestada foi o assunto mais reclamado, com uma subida face ao primeiro semestre de 2021 (39% do total versus 22% no período homólogo), em grande parte associada aos fundos de investimento e ao nível de conhecimento dos investidores sobre a possibilidade de perda de capital neste tipo de produto.

A Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM) recebeu 206 reclamações nos primeiros seis meses de 2022, o que representa um aumento de 7% em relação ao período homólogo, revela o Relatório Estatístico sobre Reclamações dos Investidores do 1º semestre de 2022.

“Para este crescimento contribuiu, em grande medida, o clima de maior instabilidade política e económica a nível mundial que provocou a desvalorização de alguns instrumentos financeiros detidos por investidores”, avança a entidade reguladora dos mercados em comunicado.

A Comissão diz que em todos os casos em que considerou que assistia razão ao investidor, “a entidade reclamada satisfez a pretensão do reclamante, padrão que já se havia registado em 2021”.

A qualidade da informação prestada foi o assunto mais reclamado, com uma subida face ao primeiro semestre de 2021 (39% do total versus 22% no período homólogo), em grande parte associada aos fundos de investimento e ao nível de conhecimento dos investidores sobre a possibilidade de perda de capital neste tipo de produto.

O facto de o conflito na Ucrânia ter provocado uma queda nos mercados pode explicar que os fundos de investimento sejam o motivo mais expressivo das reclamações.

O peso das reclamações relativas a execução de ordens ou a comissões e encargos foi menos expressivo do que na primeira metade de 2021, revela a CMVM.

O relatório revela ainda que no primeiro semestre foram concluídas 135 reclamações, menos 13% do que na segunda metade de 2021.

“O aumento das reclamações recebidas foi particularmente notório nos últimos dois meses do semestre, estando por isso ainda em curso a análise das mesmas”, acrescenta a CMVM.

“As reclamações recebidas e admitidas para tratamento na CMVM visaram 22 entidades, das quais a maioria (16) registou um aumento do número de reclamações face ao semestre anterior”, segundo o relatório.

 

Recomendadas

Wall Street: Reserva Federal acaba com otimismo sem sentido

Os investidores convenceram-se de que as mexidas nas taxas de juto seriam mais suaves que o inicialmente esperado. O banco central norte-americano teve de baixar as expectativas estranhamente sobreaquecidas do mercado.

Bolsa de Lisboa recupera e encerra na ‘linha de água’. Altri lidera ganhos

PSI subiu 0,01% em dia misto para as principais bolsas europeias. O euro está a ter uma desvalorização face ao dólar, com uma descida de 0,60%, para os 1,0119 dólares.

Wall Street abre mista após atas da Fed apontarem para subida menos agressiva da taxa de juro

Bolsa de Nova Iorque negoceia agora no ‘vermelho’ após o banco federal ter mostrado uma menor agressividade no ritmo de subida da taxa de juro devido a receios de abrandamento económico.
Comentários