CMVM suspende negociação das ações da Vista Alegre, que comunicou aumento de capital

A Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM) decidiu suspender a negociação das ações da VAA – Vista Alegre Atlantis – SGPS, SA, que comunicou um aumento de capital superior a 12 milhões de euros.

Numa nota enviada à CMVM, a Vista Alegre explica que, caso este aumento de 12,1 milhões de euros (10%) se concretize, o capital da sociedade passa a ser superior a 134 milhões de euros.

“A subscrição do aumento de capital será efetuada no âmbito de uma oferta particular junto de investidores qualificados, a ter lugar em 04 e 05 de dezembro de 2019, de 15.240.914 novas ações ordinárias, escriturais e nominativas, representativas de aproximadamente 10% do capital social atual da sociedade, com o valor nominal de 0,80 euros cada (“novas ações”) e com um montante mínimo de subscrição de 100 mil euros por subscritor (“oferta”)”, explica o comunicado da empresa.

Cada nova ação a emitir no contexto do aumento de capital será subscrita por um montante entre em euro e 1,15 euros, a ser determinado após o final do período de oferta, acrescenta.

A Vista Alegre diz ainda que o aumento de capital e a oferta “ficam sujeitos à procura, ao preço e às condições de mercado”.

“Em particular, na eventualidade de uma subscrição incompleta, o aumento de capital é limitado às subscrições recolhidas e aceites pela Sociedade, desde que e apenas caso sejam efetivamente subscritas um mínimo de 10.668.640 novas ações, equivalentes a cerca de 7% do capital social atual (tal não se verificando, o aumento de capital e a oferta ficam sem efeito)”, explica.

A empresa refere que, no contexto da oferta, “foi celebrado um contrato de colocação, sem garantia de subscrição, com o CaixaBank, S.A. (como ‘global coordinator’), o Caixa – Banco de Investimento, S.A., a JB Capital Markets S.V., S.A.U. e a Nau Securities Limited (como ‘co-lead managers’)”.

“O contrato está sujeito aos termos e condições habituais para transações desta natureza, incluindo no que respeita às suas causas de cessação e ao compromisso de ‘lock-up’ de 180 dias, a contar da admissão à negociação das novas ações, por parte da sociedade”, sublinha.

Na nota enviada à CMVM, a Vista Alegre diz ainda que, caso se concretize o aumento de capital, os seus termos finais, incluindo o número de ações efetivamente subscritas, o montante efetivo do aumento e o preço final de subscrição “serão comunicados ao mercado após a conclusão do processo de ‘accelerated bookbuilding’, o que se antecipa que venha a ocorrer a 05 de dezembro de 2019”, depois do fecho do mercado.

A empresa vai ainda pedir a admissão das novas ações à negociação na Euronext Lisbon (sujeita a registo comercial e a deliberação favorável por parte da Euronext Lisbon).

“De igual modo, caso não se concretize esta operação, a Vista Alegre comunicá-lo-á oportunamente ao mercado”, indica o comunicado.

No final da nota, a Vista Alegre explica que o aumento de capital “visa contribuir para a diversificação da base acionista da Sociedade, bem como para a otimização de fontes de financiamento e o reforço do balanço e dos capitais próprios” da empresa.

Recomendadas

Binter e Embrar fecham compra de cinco novas aeronaves por mais de 369 milhões de euros

As duas primeiras unidades estão previstas para chegar às Ilhas Canárias em novembro de 2023.

Manuel Champalimaud compra à Novares a área de injeção de plásticos para a indústria automóvel

A aquisição visa reforçar posição do Grupo Champalimaud no sector dos componentes de plástico decorativo e de interface para a indústria automóvel.

PremiumAmazon diz que “continua a fazer investimentos” de cloud em Portugal

A empresa norte-americana de computação na nuvem Amazon Web Services (AWCS)está a desenvolver um centro de dados no país, mas não se compromete com uma data de abertura.
Comentários